Com amor, todo sonho é possível

uma historinha que não é de fadas

Bom dia, tudo bem?
Estou meia tristonha, encontrei uma amiga que não via há muito tempo, eu sabia de sua história e resolvi registrar como forma de mostrar que nada é o que aparenta ser e tudo às vezes não é nada.
Havia uma menininha que passou parte da infância e toda a adolescência com medo, mas muito medo..,
Aos 11 anos a menininha foi parar na casa de um juiz, cuja filha era amiga dessa menininha e o medo a sufocava, a ponto de lhe dar uma diarreia descontrolada. Já havia levado uma surra e foi para o pronto socorro com hemorragia, agora o que seria - morte?
Não, não podia falar nada, porque se falasse seu dono podia lhe colocar num hospício e nunca mais sairia de lá. O dono dessa menininha tinha muito dinheiro e ela sabia que quem tem dinheiro ou o poder "pode tudo".
Conclusão: a menininha foi entregue a seu dono e ela precisava sobreviver.
Ah sobreviver!!!
Então o que faria para sobreviver até os 18 anos, faria tudo que seu mestre (dono) mandasse.
Assim foi até os 13 anos, quando ficou mocinha.
A madrasta da menininha achava estranha aquela mocinha sem seios e que não se entusiasmava com nenhum ídolo, na época da jovem guarda haviam muitos. A menininha tinha nojo, asco dos homens.
No mês seguinte não veio a menstruação para a menininha. Apavorada e achando que havia virado homem, porque lhe descia um líquido estranho, contou à madrasta.
Foi levada ao médico que fazia abortos da madrasta.
O médico olhou, examinou e disse: - não, ela não é homem, ela é mulher.
Não tratou daquele líquido e voltaram para casa.
Naquela semana, a menininha se encheu de coragem e disse ao seu dono:
- Não quero que me toques mais, você é apenas meu dono.
Da onde veio a coragem ela não sabia, mas ela tinha uma grande devoção: Maria, mãe de Jesus, a quem pedia a todo momento que a guardasse.
O dono como represália, começou a rasgar todos seus livros da escola.
- Se não deixar que estude vou denunciar, - falou a menininha.
O dono parou, diante daquela repentina recusa e enfrentamento.
Assim, a menininha conseguiu, sem ser molestada, chegar aos 18 anos.
A menininha trabalhava, desde os 11 anos, aos 13 foi registrada e sempre colocou para si que só o trabalho lhe daria segurança.
Um dia após completar 18 anos, a menininha fez uma trouxa com uma colcha, colocando dentro dela todos seus livros e sonhos.
A vida foi passando e hoje ao encontrar a menininha, perguntei:
- Como você está?
Ela meio que envergonhada, meio que frustrada, me respondeu:
- Sabe, hoje eu ando com aquele medo, aquele que dá nó no estômago, que paralisa e sufoca da época que morava com meu antigo dono.
- Reaja, tenha fé, estarei rezando por você, Deus irá lhe mostrar o caminho, - disse, para lhe confortar.
A menininha, hoje senhora, me abraçou e foi embora.
Ela foi cantando: Adeus amor eu vou partir, ah eu vou embora.....
Não sei o que aquela senhora irá fazer, mas estarei rezando por ela, que Deus a guarde.
Abraços carinhosos

2 comentários:

  1. Ai meu Deus! Fico com um buraco no estômago em pensar no sofrimento de uma vida assim... Não conheço a personagem central, porém peço que o Pai tenha misericórdia e dê a ela força para que possa superar mais esse momento difícil. Só Ele que sabe de todas as coisas, pode dar a essa mulher o colo de que necessita.
    Oremos por ela, Maria Teresa.
    Bjks
    Renata

    ResponderExcluir
  2. Amei !
    Obrigada pela visita, bjus
    http://www.meumundocraft.com

    ResponderExcluir