Com amor, todo sonho é possível

Mais produtiva...


Um nome
Quis escrever um verso
que enchesse a terra, o céu e o mar
que enchesse o espaço e o tempo, a vida e a morte...
E da pena só me saiu um nome:
- Deus!
(Filgueiras Lima)

Em fase produtiva: 
tínhamos uma tela, que, inicialmente,
seria aplicada uma libélula, como da professora Jô, na praia,
mas, optamos por uma borboleta; agora, faltava coragem de sozinha pintar;


Aí, vi no blog da Fabiana "Reciclar & decorar" "#euquefiz",
um quadro de avisos muito lindo, minha cozinha não é branca e,
lembrei de um tecido manchado, que havia ganho de minha amiga Constância, em 2010.
Logo pensei, "É ele!!! Terei minha amiga sempre perto de mim."


Meu tecido não é adesivado, mas não tem problema, 
dilui um pouco a cola, que estava muito grossa, passei na tela toda;


Com cuidado, estiquei o tecido;


fiz o acabamento na parte de trás;


e depois passei a cola por cima, agora meu tecido está plastificado!!!


O quadro de avisos acabado, vou pensar o que fazer com a borboleta...
Com a companhia de muitas crianças e a doce e eterna lembrança de minha amiga muito querida!!!


Aproveitei, entre uma demão e outra, fiz um doce de manga e
1 bolo de banana com farinha de mandioca.



Abraços carinhosos



4 comentários:

  1. Ola adorei seu trabalho e seu blog tambem ja fico por aqui bjs parabens!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Dinha admiro sua generosidade em compartilhar trabalhos e riscos lindos, sou sua fã, agradeço seu carinho, abraços afetuosos
      Maria Teresa

      Excluir
  2. Olá Teresa! Passando para agradecer a tua visita e teu comentário lá no nosso Literatura & Companhia, que hoje iniciou com a História da Literatura Portuguesa.

    O quadro de avisos ficou muito bonito e o teu doce de manga mais o bolo de banana com farinha de mandioca me deixaram com água na boca. Aqui em casa, dona encrenca também gosta de dá as pinceladas dela em tecido e em tela.

    Abraços,

    Furtado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amei quando vi que está iniciando a História da Literatura Portuguesa. Se morar perto e, a dona encrenca aceitar, venham em casa, assim poderemos falar sobre artes, não sou artista das tintas, como ela deve ser, gosto de bonecas. Mas ficarei feliz em recebê-los, farei o bolo e o doce. Agradeço seu carinho, abraços afetuosos
      Maria Teresa

      Excluir