Com amor, todo sonho é possível

SOS

"Quem não luta pelos seus direitos, não é digno deles."
Rui Barbosa

"Eu não sou o que aconteceu comigo. Eu sou o que escolhi me tornar."
Carl Jung


"Sem sonhos, a vida não tem brilho.
Sem metas, os sonhos não têm alicerces.
Sem prioridades, os sonhos não se tornam reais."
Rose Pons

SOS - peço ajuda, a quem possa, de alguma forma, me ajudar.
24/03/2015
No dia 1º de julho de 2012, fui humilhada na frente da família, por duas noras que, me chamando de sem vergonha, ainda disseram que eu delirava, ao dizer que haviam saqueado a minha casa, levando, até roupas pessoais, alegavam que nada havia em minha casa. O xxx, se ajoelhou, pediu pelo amor de Deus, para que a pessoa que saqueou, falasse a verdade. Chorava, dizendo que a felicidade dele, "era eu voltar pra casa" e dependia da confissão do ladrão, jurando que não fora ele, sabia quem fora, mas não iria delatar. Pra mim, foi o maior desgosto que me proporcionaram, não pelas coisas em si, mas pelo ato, pelas costas, como se eu já estivesse morta. Essas mesmas noras, que recebi com muito carinho em minha casa, indo contra ele, que não as suportava, foram as que sugeriram ao sogro, que me "estuprasse", acreditando que, com o trauma, eu me suicidaria, assim, ele se livraria de mim, duma vez por todas.

Naquele dia (01/07/2012), elas levaram meus 2 filhos embora, sem que esboçassem qualquer reação, diante das agressões, que eu sofri. Doeu, como doeu, os meus meninos, fazendo tudo isso pra mim. Não bastasse, fui brutalmente agredida pelo que ficou, que quase chegou às vias de fato, quando me chamou de "tola" que, biblicamente, corresponde à mulher que, com suas próprias mãos destrói seu lar, para mim, a maior ofensa que poderia ouvir do meu filho, preferia ter levado os tapas na cara, que muito se conteve, para não os dar, já que nessa hora, mantive a cabeça erguida disposta a apanhar. 

As pessoas acham que mãe é saco de pancadas e pinico, podem agredir, maltratar, despejar suas fezes, uma mãe tudo pode, até morrer por eles, não faz a menor diferença.

Os 6 (pai, 3 filhos e 2 noras) formaram uma quadrilha, para me desequilibrar e me levar ao suicídio, beneficiando ao pai, com isso, as 3 famílias seriam, também, beneficiadas, na partilha dos bens. Para que tudo desse certo, envolveram uma pessoa de fora, que fez alteração no cadastro do meu benefício, no INSS, uma vez que, com a minha morte, quitaria as dívidas da família (que sempre arquei) e ele receberia a pensão previdenciária limpinha em suas mãos, resolvendo, dessa forma, todos os problemas dele.

Como meu filho MMM, me jogou na cara:
-"Agora tenho minha família, tenho que lutar por ela. Você já era, vire-se. O pai, sim, está sendo o pai que nunca pode ser, enquanto esteve com você. Está nos dando tudo que merecemos."

Os 3 + as 3 esposas, sumiram de minha casa, nunca mais os vi, nem aos meus netos, me ignoraram por completo, no maior desprezo. Apesar de tudo, eu os abençoo, sei como é ser iludida pelas mentiras e hipocrisia de uma pessoa do mal.

Meu filho Ju mantém contato e tenta, na medida do possível, me apoiar, a quem muito agradeço e peço sempre, que Deus abençoe a sua família.
Quero agradecer às 3 noras, que nunca me maltrataram, nem me desrespeitaram, mesmo depois de ter sido, duramente castigada por todos os filhos, elas continuaram a me tratar muito bem, são as filhas que gostaria de ter tido, mas que, infelizmente, não me foi permitido curtir, nem como noras, já que minha família se desestruturou, em razão de toda a discórdia estabelecida e da ganância exacerbada desses filhos.

Senhor,
me perdoa.
Não me calo mais,
já perdi meus filhos,
a razão do meu viver.
Não tenho mais vergonha
de mostrar,
o que estão me fazendo,
eu preciso gritar:
- "Estão me matando."

Clamei por Justiça,
em todas as esferas,
até para o 180 e 100 liguei,
de nada adiantou,
a calúnia
e o preconceito
me condenou.
Sou depressiva,
não tenho direitos,
como qualquer cidadã,
nem como idosa,
sou respeitada.

Estou sendo agredida
de todas as formas.
Fui explorada, ameaçada,
difamada, caluniada,
torturada e estuprada.
Para a Justiça, nada disso
se constitui em prova.
Nem o BO, com laudo
positivo do IML,
foi aceito.

Aqui,
sumiram com o BO de estupro, 
de 05/04/2012 e o laudo do IML,
quando consegui cópia na origem,
o daqui apareceu.
Agora,
alegam que o resultado é inconclusivo,
não dá para caracterizar estupro,
entre marido e mulher.
Então, eu pergunto:
- " Por que nos mandam,
passar por exames,
testes e vacinas?"
- " Porque mantém uma
infra estrutura de atendimento às
vítimas de violências, tão cara,
se o principal,
 que é prender o agressor,
não o fazem???"
Mas, fazem pior, dão cobertura e permitem
que o agressor cometa mais crimes!!!
Que espécie de Justiça é essa?
Cadê a "Lei Maria da Penha"?

Se faltou a representação 
do crime de estupro, 
como, também, alegam,
já que fui ameaçada de morte pelos filhos,
caso o pai fosse preso,
isso ninguém escuta!!!
Agora, questiono:
- " Por que não foi montado 
o processo, pelas ameaças e torturas?"
Segundo a DP que me atendeu,
a representação só podia ser feita, 
na DP onde mora a vítima.
Marcaram hora e
me atenderam,
BO.../12, de 09/10/2012,
fui atendida no dia 29/01/2013,
pelo sr. AAA,
que abriu o computador 
perguntou uma porção de coisas, 
me deu uma cópia do BO, 
perguntei se teria cópia da representação, 
disse que não e me tratou,
como se fossem fazer Justiça,
sem demora.
Quando retornei à DP,
para saber como estava o processo,
me deram um nº e me mandaram para o Fórum.
Descobri que nada foi feito,
estava arquivado.
Caí na armadilha da DP,
nenhum processo foi aberto.
Recorri à Promotoria,
depois à Corregedoria,
de nada adiantou.

Dessa forma,
a "Lei Maria da Penha",
que é uma grande conquista,
na defesa dos direitos das mulheres,
está sendo burlada e
tripudiada por homem sem princípios e
inescrupuloso,
que usa de má fé,
para se sair bem,
no processo do divórcio.
Me ameaçando, inclusive,
quebrar a cara,
" -vou fazer valer a
Maria da Penha.".

Moro na casa que construí,
com meu FGTS e espólio de meu pai e
estou ameaçada,
pois presentearam o agressor
com 40% do meu imóvel e
eu tive de assumir
todas as dívidas da família e
falências deles.

Enquanto, o esperto,
acabou com 6 carros meus e
ainda saiu, com:
60% do imóvel de família (dele),
mais 2 carros em seu nome,
que não constaram da partilha,
+ muito dinheiro,
que ganhou e nunca declarou.
Aliciou os 3 filhos com muito dinheiro,
além da promessa de lhes
entregar a parte que lhe coubesse,
pelo divórcio,
na minha casa.
Assim,
esses 3 filhos e noras,
me caluniaram, ignoraram e
condenaram ao esquecimento,
me negando como mãe,
no maior desprezo.

Nada disso,
 posso reclamar,
nem tenho direito a processar,
tamanho o descaso das autoridades,
não tenho direito a segurança,
proteção e nem
à Justiça.
Que, conforme a advogada,
tudo está errado, desde o início,
cabem uma porção de ações,
que estou impedida de fazer.

Então,
devo entender,
que a Lei só é cumprida,
quando a vítima tem dinheiro e
pode pagar um advogado?
Se tento um reparo
pelo crime praticado,
o indivíduo,
agora,
com endereço ignorado,
não pode ser citado,
para ao processo responder.

Vive com coroa rica,
que o sustenta,
pra manter a aparência de "senhor",
de muito respeito.
Com direito, a status no "face",
para em meu perfil entrar,
difamar, caluniar, me ameaçar e
pra brincar de "vendedor idôneo"!!!
Com o dinheiro que me roubou,
propriedades sem escritura,
mais o que ganhou e nunca declarou,
mantém sua cabritinha,
na boa vida.
Tripudia em cima de todos,
pois se acha o "espertalhão"
pelo crime perfeito praticado.

Com o sistema todo corrompido,
nós, meros mortais, sem dinheiro,
não temos direito à Justiça?

Sou tratada como demente,
na maior ironia,
quando vou à delegacia,
nem adianta mais reclamar.
"*" - Obstruíram meu poço,
para daqui sair,
paguei caro para arrumar,
para a pessoa que mudou
todo o sistema da água,
sem mesmo o poço limpar,
 só piorou,
estou sem água desde 06/2014;
"*" - puseram fogo na mata que queimou,
todas as instalações elétricas do poço,
pra me amedrontar em 08/2014;
"*" -  trouxeram um cachorro,
que acabou com minha criação de galinhas,
já não tenho nem ovos, como alimento;
"*" - quando chove, a água dos terrenos mais altos,
 forma uma enorme enxurrada em meu terreno,
não tenho como conter a erosão que está formando;
"*" - obstruíram a rua onde moro, pra me isolar;
"*" - o caminho que uso,
para facilitar e encurtar o meu acesso à casa,
virou um depósito de lixo,
até carro estão queimando e
abandonando aqui.
"*" - Estou ilhada,
não posso mais ir à Igreja.

Nada disso posso reclamar,
tamanho o descaso das autoridades,
mulher depressiva,
não é cidadã,
não tem direitos,
nem segurança.
É assim que tratam as mulheres,
aqui, nesta cidade.
Por que querem que eu saia daqui?
Por que todos estão me isolando?


Abraços carinhosos

0 comentários:

Postar um comentário