Com amor, todo sonho é possível

"Menefregue"


" Quem não luta pelos seus direitos, não é digno deles."
Rui Barbosa

"Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha."
Victor Hugo

"Eu não sou o que aconteceu comigo. Eu sou o que escolhi me tornar."
Carl Jung

"O mal existe e tem gente que simplesmente não presta."
Glória Perez

\o/\o/\o/

Anoitecer de 18/06/2015,
 desenhos maravilhosos,
nada igual a ontem,
tudo muito diferente...


Tinha prontos os quadros "nine patch",
juntei 6 para fazer uma "pezeira" ou manta,
coloquei a manta acrílica e o forro,
agora estou "quiltando" o meio e a linha externa do quadro, 
para depois chulear, juntar o forro externo e
o acabamento com viés...  
Nada profissional, 
já que sou péssima 
na costura reta,
só vivo "torta".
Mas, é que adoro,
paninhos e costurinhas,
assim faço o que me agrada,
o que me faz feliz!!!



mais um pouquinho dele...
Quem Ama
Não Adoece


"*" Na vida, meu caro leitor, o que importa é o amor e o bem querer das pessoas, o viver as emoções e, atrelado a elas e entre si, a saúde e a felicidade. O resto é o resto, creiam nisso. Não vale a pena sofrer por nada mais além disso. É preciso tentar viver com humor e somente se deixar atingir pelo que de fato importa.
O italiano cunhou uma expressão "me ne frego", cuja melhor tradução seria "dou de ombros". A esse respeito, chegou-me às mãos, por acaso, um texto assinado por Gustavo Pinto, de que vale a pena transcrever alguns trechos, dado que ilustra bem o que estou querendo transmitir. Aparentemente dirigindo-se a um amigo em fase não muito boa na vida, o autor diz o seguinte:
"Menefregue, meu amigo: menefregue e tudo se ajeita. Inclusive o que não tem jeito. Filhos? Ih, às vezes dão um trabalho. Pais? Conseguem ser, em certos momentos, tão difíceis como os filhos. Negócios? Adoram nos chatear. Para tudo tudo isso e mais ainda, só há uma solução: dar de ombros e menefregar. É preciso não levar muito a sério os problemas; principalmente os graves."
Mas "menefregar" é uma arte sutil. Para quem vê de fora, parece ambígua e contraditória. É preciso "menefregar" sem deixar transparecer que se o faz. Quando é o caso, fecha-se a cara, bate-se na mesa, chama-se às falas. Por dentro é que se "menefrega". Nada importa, mas é preciso fingir que algumas coisas importam. A seriedade social, o "menefreguismo" é uma questão de foro íntimo. Afinal, não podemos deixar a felicidade à mercê das circunstâncias. Sempre nos hão de tentar aporrinhar, tanto os que nos detestam (porque nos detestam) quanto igualmente os que nos amam (apesar de nos amarem).
Problemas, sempre todos os teremos. O que é preciso é não nos importarmos com eles. Afinal, se o planeta consegue continuar girando apesar de toda a maluquice que sobre ele impera, por que não podemos continuar a sorrir, olimpicamente, apesar de tudo e de todos?
Nada importa, é a bandeira do "menefreguista", Para ele, tudo que importa é não esquecer que nada importa, do quanto nos possa aporrinhar. Tudo passa e acaba por se arranjar, independentemente de nos preocuparmos. Aliás, em geral passa e se arranja mais fácil e rapidamente quando menos nos preocupamos. O "menefreguista" é um vivedor contumaz. Cultiva o riso por profissão de fé. Sabe que a vida é curta e só vale com alegria. Cuida muito e bem, das amizades e do amor. Ao resto, dá de ombros. "*"
Trecho do livro: Quem Ama não adoece - 
autor: Dr. Marco Aurélio Dias da Silva 
Editora Best Seller

Menefregue meu bem, você vai gostar!!!

Abraços carinhosos

0 comentários:

Postar um comentário