Com amor, todo sonho é possível

Crime perfeito





Tenho pensado muito nesse tema: "crime perfeito"!
Quantas mortes foram dadas como naturais, livres de qualquer suspeita!
Suicídio, então, nem se fala, a culpa sempre é da depressão!
Quanto mais eu penso, parece que menos consigo fechar meu pensamento.
É preciso conhecer muito bem a mente de um criminoso,
para descobrir os planos traçados,
na elaboração e conclusão do crime.

20 de jul de 2010:

 Em busca do crime perfeito: Top 10 maneiras de fazer um corpo sumir.

A trilha do crime perfeito passa necessariamente pelo apagamento de todas as evidências e a expectativa da carência de testemunhos consistentes. Logo, as rotinas dos casos de assassinato são caracterizadas por ações envidadas pelo criminoso para dar sumiço ao cadáver, na tentativa de anular a principal prova material.


Contudo, a moderna tecnologia forense, que incorporou métodos de verificação de DNA e avançados instrumentos de coleta análise de provas, torna quase impossível a realização do crime perfeito. Adicionalmente, no momento em que os recursos judiciários podem se valer de imagens de câmeras das mais diversas fontes e informações oriundas de diferentes tipos de rastreamento eletrônico, não se pode mais falar em crimes perfeitos, mas sim em casos negligentemente investigados.

Assim, modernamente os sistemas judicais dos países tendem a se pautar com base num conjunto de indícios e vestígios materiais, prescindindo da existência do corpo, ainda mais porque a prova material pode ser reconstituída de fragmentos mínimos, tais como uma gota de sangue, um pedaço de osso, ou até um fio de cabelo.

Mesmo assim, os criminosos, alheios aos progressos das aplicações científicas, continuam tentando o cometimento do crime perfeito e muitos até conseguem se livrar das barras da prisão, mais devido à ineficiência da polícia judiciária, do que à falta de materialidade. Portanto, na confiança dos furos inerentes ao sistema policial, os criminosos recorrem amiúde aos seguintes estratagemas para sumirem com a prova material e enfraquecerem o corpo de delito:

10) Abandonar num lugar ermo.
Prós: praticamente não há vantagens neste método, pois quase é equivalente ao pior de todos: deixar o corpo no lugar em que está dar no pé.
Contras: pois, a menos que o corpo seja abandonado no meio do deserto Saara – o que é impraticável - ele logo será descoberto. Somando-se a isto, há a dificuldade do transporte e a formação de um grande número de testemunhas no caminho.

9) Enterro.
Prós: aparentemente é uma boa solução porque dá um sumiço rápido.
Contras: a menos que seja executado por profissionais, o enterro puro e simples deixa muitos furos, tais como cheiros residuais, possibilidade de desabamento da cova e a grande probabilidade da desconfiança dos investigadores, já que a maioria dos criminosos termina optando por esta estratégia devido à sua simplicidade.

8) Atirar no rio ou mar.
Prós: quando tudo corre bem, pode dar um bom tempo para o criminoso mudar de ares, antes que o “assunto volte à tona”.
Contras: há a questão nevrálgica do transporte do corpo em via pública, sob os olhares curiosos de potenciais testemunhas. Além disto, a questão do domínio da técnica é fundamental, pois se o corpo não for muito bem lastreado, em poucas horas as leis da física o impelirão irresistivelmente para a superfície.

7) Jogar num buraco, ou precipício.
Prós: fornece um sossego imediato, pena que passageiro.
Contras: é um método bem precário adotado por criminosos pé-de-chinelo, que traz como consequência a rápida descoberta do corpo, devido ao cheiro de carniça que atrai inevitavelmente aves de rapina, cães... e gente.

6) Emparedamento.
Prós: dá sumiço instantâneo ao corpo, sem deixar vestígios.
Contras: o emparedamento, apesar de sido muito em séculos passados, hoje está fora de moda, devido aos avanços da ciência forense. A casa do suspeito certamente será revirada de cabeça para baixo e provavelmente algum investigador desconfiará de qualquer “reforma” recente. Além disto, há o problema dos vizinhos xeretas que acabam dando com a língua nos dentes quando indagados sobre os movimentos suspeitos.

5) Esquartejamento.
Prós: o criminoso adquire a vantagem do menor volume das “bagagens” a transportar.
Contras: ainda assim, continua a questão: o que fazer com os pedaços? Alguns pés-de-chinelo adotam a estratégia de espalhar as partes, devidamente embaladas em sacos de lixo, em várias partes da cidade para dificultar o reconhecimento. Porém, tal sandice não é páreo para a metodologia científica forense, pois basta um fragmento para se obter o DNA comprobatório da identidade do morto, ou seja, a falta prova material.

4) Devoramento, por apetite próprio ou dando para os animais comerem.
Prós: resolve parcialmente o problema da destinação enfrentada pelo método anterior.
Contras: o criminoso continuará enfrentando o problema da destinação dos ossos. Eventualmente, quando sai na mídia este tipo de acontecimento causa grande comoção, por se tratar de episódio de canibalismo.

3) Queimar.
Prós: aparentemente, é a melhor forma de se livrar de um cadáver e se livrar do pepino do item anterior.
Contras: a menos que o processo de queima atinja o nível de perfeição da incineração, sempre restarão vestígios denunciadores.

2) Queimar no “Microondas”.
Prós: os traficantes do Rio de Janeiro tem adotado este método salutar, que consiste em mumificar a vítima viva com Duct Tape e transportá-la até ao alto de um morro, onde o condenado é alojado dentro de uma pilha de pneus, que é então queimada e a vítima incinerada viva.
Contras: dependendo da inaptidão do operador, mesmo o “microondas” pode deixar vestígios, como aconteceu com o repórter Tim Lopes morto pelo tráfico carioca em 2002, cujos fragmentos achados foram suficientes para condenar os mandantes e os executores do crime.
1) Derreter em ácido.
Prós: é o método mais efetivo para se liquefazer um corpo humano, sem ter as desvantagens dos métodos anteriores.
Contras: para quem escolhe este método, é imprescindível que domine conhecimentos avançados de química e tenha a infraestrutura necessária (banheira ou um recipiente enorme com capacidade suficiente para conter um corpo humano) para manipular milhares de litros do tipo de ácido adequado a este tipo de operação. Uma vez realizado o processo, surge o último óbice: a correta destinação do ácido, pois simplesmente tão grande quantidade de ácido atirado no esgoto, pode render ao criminoso uma condenação inesperada por crime ambiental.

Conclusão:
O crime não compensa. Em primeiro lugar não mate e se, numa fatalidade, vier a ocorrer esta desgraça terrível, não piore o seu crime tentando ocultar provas, ou envolvendo terceiros. Apresente-se às autoridades, pois uma pessoa impulsiva e sincera aparece melhor aos olhos dos jurados, do que os premeditados maliciosos.

www.blogpaedia.com.br/2010/.../em-busca-do-crime-perfeito-top-10.h



Quando se está jurada de morte,
"tenho as manha de cometer o crime perfeito'
é preciso ficar esperta à qualquer ação do inimigo,
aí vale pensar num dito popular:
"Quando a esmola é demais o santo desconfia."


 
Abraços carinhosos

4 comentários:

  1. Olá, doce e linda amiga!

    Não há crimes perfeitos, embora haja uns mais difíceis de serem descobertos, mas sempre acabam sendo.

    Estive consultando o blog de Isaías Malta e ali encontramos "ferramentas" para tudo ou quase.

    Concordo, inteiramente com você: se praticou um crime, se entregue. É bem melhor para você, sobretudo, sim, pke quem você assassinou já não tem meios para. Tem, claro! Deus está sempre atento.

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, minha querida e estimada amiga, CÉU!
      Tens razão ao afirmar que não há crimes perfeitos, a perfeição a Deus pertence.
      O que existem são mentes malignas, perversas, espertas e que se julgam acima do jugo de Deus. São pessoas amorais, desprovidas de sentimentos, que premeditam maliciosamente a morte de alguém, para se beneficiar.
      Acredito no poder de Deus, por isso a todo o momento agradeço, pois Ele me livrou da morte!
      A Deus toda Honra e toda Glória!
      Agradeço, abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir
  2. Acho q n existe crime perfeito.Perfeição para mim é inspiração do bem.Lindo dia querida, beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, Patrícia, mas as mentes criminosas, se especializam de tal forma, que muitos crimes permanecem insolúveis.
      Aqui mesmo onde moro, uma pessoa sumiu e até hoje não acharam seu corpo, com isso acredito que é possível matar uma pessoa e não deixar vestígios, como ouvi por muitos anos: "tenho as manha de te matar e ninguém vai achar teu rastro."
      Assim, quando não é encontrado o corpo, não há como incriminar o assassino e ele seguirá incólume.
      Por isso, luto para que as mulheres que estão em situação de risco, denunciem, não se calem.
      Quando não são ouvidas, devem levar a público, isso inibe o predador, como tenho dito, predadores preferem mulheres discretas,
      fogem das que não têm vergonha de se expor.
      É preferível perder a vergonha, do que morrer com vergonha!
      Agradeço, abraços carinhosos
      Maria Teresa
      Como vê, só conseguimos ficar viva com a proteção de Deus

      Excluir