Com amor, todo sonho é possível

Margaret D. H. Keane

Conheçam e participem do Grupo de Apoio a Mulher, uma referência para quem está em situação de risco, precisamos nos mobilizar, para evitar que ocorram mais agressões contra a Mulher!
Participe! Lute pelo seu direito de viver!
https://www.facebook.com/ongdasvitimasdeviolenciadomesticacontramulher/?fref=nf




Temos que nos unir e impor respeito à nos como mulheres e acabar com o feminicídeo em nosso país!!
Vamos nos mobilizar!!!
Vamos impedir que mais mulheres morram!
Quem desejar, pode participar do grupo no WhatsApp do GRAM
e só deixar seu contato que iremos conversar!
https://www.facebook.com/ongdasvitimasdeviolenciadomesticacontramulher/?fref=nf


Margaret Keane já era conhecida em Nashville, no Tennessee — estado onde nasceu, em 1927, com o nome de Peggy Doris Hawkins — pelos desenhos de anjos com olhos grandes e asas flexíveis. Da sua juventude pouco se sabe.
Conheceu Walter Keane à porta de uma exposição de arte, em São Francisco, no ano de 1955. Ele se gabava dizendo ter pintando umas paisagens de Paris - essas obras, como se descobriu mais tarde, nunca existiram -.
Vítima de preconceito por ser mulher e depois por ser divorciada, não obteve espaço no mercado de trabalho. Seduzida pelas ideias de Walter Keane, autorizou que ele se apropriasse dos créditos de seus quadros, pois só assim conseguiria vende-los.
Margaret dizia que os "Grandes Olhos" eram a janela da alma, enquanto Walter via apenas uma janela para a fortuna. Durante dez anos ele se exibiu como artista e autor dos quadros, faturando milhões.
Vítima de um relacionamento abusivo, Margaret passava mais de 16 horas seguidas pintando. Ela não tinha amigos e era vigiada, pressionada e maltratada por Walter todos os dias. Em uma entrevista ao jornal inglês “The Guardian”, Margaret disse: "Era vítima de uma lavagem cerebral”.
Mesmo com medo, abandonou Walter em 1964, indo morar no Havai. Somente depois de alguns anos de divorcio, revelou em entrevista a uma rádio de São Francisco, que o trabalho era exclusivamente seu.
No tribunal, o juiz pediu a Margaret e a Walter Keane que desenhassem uma criança de olhos grandes. Walter se recusou, alegando dores no ombro. Margaret pintou um quadro em 53 minutos. E foi assim que, depois de muitos anos, ela foi finalmente reconhecida por suas obras.
Walter mentiu ser o autor das obras até o final de sua vida, no ano de 2000. Margaret pinta até os dias de hoje.
O filme "Big Eyes" (Grandes Olhos), conta a história de Margaret Keane e foi dirigido por Tim Burton, um dos colecionadores de seus quadros.
Via As minas na história
https://www.facebook.com/groups/590430007653216/
GRAM - Grupo de apoio à Mulher
https://www.facebook.com/groups/590430007653216/

Abraços carinhosos

8 comentários:

  1. Imagino amiga Maria Teresa que, nos anos cinquenta as mulheres nem podiam sair sozinhas, quanto mais pintar, fazer algo usando seu nome, que marido horrível, interesseiro ela teve, o pior de tudo é que ainda hoje as mulheres ainda são submissas aos seus maridos, sei como é difícil para muitas, saírem dos domínios de seus maridos ou companheiros!
    Que bom que tens essa missão de ajudar propagando o "grupo de apoio a mulher"
    Abraços linda amiga!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ivone, fiquei admirada com o caso da Margaret:
      1º pela qualidade de suas obras, numa época em que as mulheres não se expressavam através da arte ou escrita;
      2º pela determinação, em 10 anos se libertou e processou o impostor.
      Ele continuou mentindo até o final da vida.
      Gostei do trabalho do GRAM - Grupo de Apoio à Mulher, não é admissível que as mulheres fiquem à mercê dos homens, em relacionamentos abusivos.
      É necessário uma mobilização da sociedade, para orientar e defender a mulher quando é agredida e desrespeitada como ser humano, quando a aprisionam e lhe tiram o direito à vida.
      Ivone, como eu gostaria que alguém tivesse me ouvido, quando surtei. Mas, acredito que eu precisava passar pelo que passei, para sentir o que leva uma pessoa a desistir da vida. Precisava entender, para descobrir que sem a fé, não conseguimos nada.
      A lição foi dura, mas valeu pelo aprendizado, minha prioridade deixou de ser os filhos, que me decepcionaram, hoje eu vivo para Cristo, que me salvou, libertou e me mantém lúcida, para espalhar amor ao próximo.
      Gratidão, minha querida amiga, abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir
  2. Olá Teresa! Por incrível que pareça, ainda hoje existem muitas mulheres vivendo no regime de submissão, e não denunciam por medo.

    Obrigado pela visita e amável comentário deixado no nosso Literatura & Companhia Ilimitada.

    Abraços,

    Furtado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Furtado, as mulheres não se libertam de relacionamentos abusivos, por medo. Por serem, constantemente, ameaçadas de morte, quando querem se separar.
      Admirei a Margaret, que embora estivesse com medo, saiu de casa e o processou.
      Como ela mesma disse, foi vítima de uma "lavagem cerebral"!
      Agradeço, abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir
  3. Teresa,
    devemos nos unir mesmo,
    pois ainda há mulheres que se sentem inferiores e permitem absurdos masculinos!
    bjos
    http://www.elianedelacerda.com
    Viva as MULHERES!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Eliane, só com a união e a mobilização das mulheres, conseguiremos curar essa "chaga" da sociedade.
      Gratidão, amiga, abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir
  4. Boa noite querida Maria Teresa.
    Você faz uma lindo trabalho aqui,divulgando casos abusivos, forma de se proteger e agir em casos de violência no lar. Tem pessoas que depois de ser vitimas, ajudam outras vitimas a se libertar, pela forma de agir amiga. Quanto ao caso exposto, fiquei chocada, coitada dessa pintora, deve ter sofrido horrores. Quanto ao apoio as mulheres, acho mais do que justo todas as pessoas que passam por isso receberem apoio e deveriam receber amor de todas as partes. Uma linda quinta- feira. Enorme abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, minha linda e doce amiga, Mirtes!
      A Justiça foi omissa comigo, se estou viva, foi porque Deus se apiedou de mim e me salvou, nem todas tiveram essa oportunidade, basta olhar as estatísticas do feminicídio.
      Quanto à Margaret, sofreu como ela mesma disse, uma "lavagem cerebral".
      Acho importantíssimo a orientação e apoio às pessoas que estão em relacionamentos abusivos.
      Gratidão, feliz sexta-feira, abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir