Com amor, todo sonho é possível

Cultura do "mal"



Gostei muito deste texto, com o objetivo de conduzir seus filhos pelo caminho do "bem", compromissados com a honestidade e com o respeito absoluto pelo outro. (Romeu Oliveira)"

A cultura do "mal" é a nova moda 

Esses dias eu assisti uma entrevista de um policial brasileiro que trabalha na Polícia Norte Americana, onde discorria a respeito das diferenças existentes entre trabalhar lá e no Brasil. Durante a entrevista o policial falava da maneira como são tratados no outro País. Do suporte que recebem e da motivação de exercer a profissão com louvor. Do excelente salário, dos benefícios, de isenções de imposto sobre certas aquisições (descontos sobre compra de imóvel ou carro). Falou do respeito e credibilidade que eles possuem da sociedade (eles são vistos como heróis). Falou também que lá o crime é efetivamente perseguido e combatido, onde o código penal realmente funciona, e quando eles prendem o Estado pune com o rigor necessário. Enfim, eles se sentem satisfeitos com o trabalho que realizam, porque acreditam e observam que a justiça realmente funciona (é claro que em todos os lugares e atividades existam suas falhas).
Agora em relação ao Brasil, ele fez alguns apontamentos desfavoráveis, por exemplo, em relação ao péssimo salário e condições de trabalho que são desmotivadores, e para piorar o policial muitas vezes é visto como bandido (isso porque a marginalidade socializou-se e virou cultura), não é valorizado pela sociedade (é claro que são visíveis as deficiências e fragilidades da polícia brasileira, mas o principal culpado é o Estado, com seus governos incompetentes e mal intencionados). Enfatizou como seria importante o apoio da sociedade (seria um fator motivante para a polícia) e o respaldo do Estado proporcionando estrutura como um salário digno, que honre uma atividade fundamental para o bem estar da sociedade, bem como os recursos necessários para o combate ao crime. Mas infelizmente não é o que acontece, e mesmo assim a polícia está aí, boa ou não, combatendo o crime e arriscando sua vida para defender a sociedade. Eu chego à conclusão de que a polícia juntamente com a educação foi propositalmente abandonada pelo Estado. E quem está se beneficiando com isso?
Uma coisa é certa, a criminalidade se fortaleceu se organizou e se estabeleceu de forma econômica, política e cultural, e tudo isto debaixo dos olhos do Estado.
Em outro aspecto, eu fico impressionado como essa cultura do "mal" tem se manifestado e influenciado a sociedade. E isso acontece em diversos aspectos, e está se refletindo nas relações em geral, através da linguagem, da música, das programações de TV, como as novelas e filmes (o bandido virou herói). Mas a mídia tem sido grande parceira nisto, tem promovido certas figuras deprimentes como grandes formadores de opinião e proporcionado riquezas para muitos. A "cultura" da marginalidade, que antes era restrita somente aos grupos marginais e dentro das penitenciárias, espalhou-se, e socializou-se mudando a visão da sociedade. O “mau” que antes estava distante, agora está perto, visível, ousado, invadiu as relações familiares e está incutido na personalidade desta e das próximas gerações. E podemos enxergar isso no comportamento das pessoas. Perderam a noção de limite, estão mais agressivas, indiferentes e não conhecem mais o significado de "respeito". Desta forma eu não vislumbro boas perspectivas para o futuro, mas com certeza cumpro com o meu papel de pai, contribuindo para que meus filhos se tornem bons cidadãos. Em outras palavras, as influências não vêm mais dos "bons", mas, infelizmente daqueles que transmitem apologias do "mal". E essas apologias estão refletidas de diversas formas, onde muitos a representam e que talvez nem saibam. E isso acontece porque a política educacional é deficiente, distorcida e desprezada por um Estado que é dirigido por poderes que se beneficiam com esse contexto. 
Em relação à polícia, que foi constituída para nossa defesa, passou a ser vista como inimiga. E aí está a prova de como a visão da sociedade foi influenciada por essa cultura. Obviamente que há bons e maus dentro da polícia, como em qualquer outro ramo de atividade, mas isto é outra discussão.
Isso provocou grandes danos na sociedade. O ser humano está mais frio e insensível. Não respeita mais a vida. A vida ficou “coisificada”. Em outras palavras, a vida passou a ser qualquer coisa, o outro é qualquer coisa, não tem importância. É como dizer: "A vida do outro está em minhas mãos, eu decido se deixo viver ou morrer".
Há muitas coisas para se fazer neste País, muitas transformações são necessárias, e essas transformações precisam começar no núcleo da sociedade, dentro de casa, no "seio" da família, com mudança de conceitos, de valores. As pessoas precisam aprender a terem um “olhar crítico”, a questionarem aquilo que acreditam, que consideram como "valor" (é preciso começar a medir), e permitir aberturas para um novo saber, para um novo olhar, para novas perspectivas, com o objetivo de conduzir seus filhos pelo caminho do "bem", compromissados com a honestidade e com o respeito absoluto pelo outro. (
 Agradeço 
Abraços carinhosos

15 comentários:

  1. OI MARIA TERESA!
    UM ASSUNTO QUE PRECISA SER DIVULGADO HÁ EXAUSTÃO, A RETOMADA DOS VALORES QUE ENGRANDECEM OS SERES HUMANOS.
    MUITO INTERESSANTE E PERTINENTE ESTE TEXTO.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, Zilani, gratidão!
      Tem toda razão, precisamos divulgar à exaustão, tudo que possa colaborar para erradicar o cancro da violência doméstica.
      Está muito fácil para o homem agredir e matar a mulher, quando ela quer se separar. Ele sabe que nada farão contra ele, a Lei não é efetivamente aplicada.
      Precisamos nos aprofundar na raiz do problema, por que não temos segurança? O que será necessário mudar, para que haja Justiça.
      Como conter essa onda de violência?
      Felizes dias, abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir
  2. Maria Teresa muito obrigado por compartilhar. Estamos juntos nesta luta... vc faz um trabalho lindo... gosto de um pensamento de Madre Teresa: "O que eu faço é como uma gota no oceano, mas sem ela o oceano é menor", conte sempre comigo!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, Romeu, gratidão!
      Não me sentiria confortável, sabendo que outras mulheres estão em situação de risco e sabendo o caminho, eu ficasse calada.
      Cada mulher tem sua história, seus medos, suas limitações, precisamos encorajá-las a denunciar as agressões e abusos, bem como mostrar, que estamos unidos em defesa de sua vida.
      Hoje, graças a Deus, existe uma legião de pessoas extraordinárias, como você Romeu Oliveira, sensibilizadas pelo alto índice de violências domésticas, disponibilizando suas ideias, pensamentos e textos, possibilitando uma reflexão mais cuidadosa sobre o mal que nos rodeia e, nos mata.
      Há que se ter um cuidado maior, principalmente, na formação e educação de nossos filhos, para que não perpetuem a cultura do "mal".
      Se nos dá essa abertura, com certeza, estarei buscando subsídios em seu blog "Pensamentos e Inquietações". http://pensamentoseinquietacoes.blogspot.com.br/
      Imensamente grata, lhe desejo uma excelente semana, abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir
  3. Parece que já não há respeito pelo próximo...


    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, Isa, gratidão!
      É, estamos percebendo que não há nenhum respeito pelo próximo, somos apenas números nas estatísticas.
      Feliz semana, abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir
  4. Olá Maria Teresa! Este texto nos faz pensar muito e concordo com ele. Tenho filho criança e adolescente e realmente o que foi dito é uma realidade, parece que nos puxam para essa cultura de coisificação. Temos que ficar de olho, pois está em vários lugares!
    Beijos e te desejo uma ótima semana!
    CamomilaRosa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, Camomila Rosa, gratidão!
      Verdade, essa cultura se espalhou, de tal forma, que não estamos mais conseguindo identificá-la, para dela se proteger.
      Também não há quem nos defenda, ficamos encurraladas.
      É preciso alertar para a união de todos com o mesmo propósito, para fortalecermos o núcleo familiar, resgatando valores que estão se perdendo.
      A família precisa ser preservada.
      Tenha uma excelente semana, abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir
  5. É sem dúvida um texto muito bom para obrigar uma pessoa reflectir!

    Bjxxx
    Ontem é só Memória | Facebook | Instagram

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, Teresa, gratidão!
      Com certeza, precisamos mesmo refletir...
      Tenha uma excelente semana, abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir
  6. Bom dia, Teresa!
    Que bom que publicou aqui este texto. Gostei demais, pois é algo que sempre tento passar para muitos e por ser professora, vivenciar comportamentos nas escolas, assim como o marido, vemos que o problema está no núcleo. A família está com suas bases trincadas, pais não sabem mais o que é educar, o que é respeito pela vida e infelizmente estamos numa descendente muito rápida.
    Meu avô sempre dizia que os políticos gostam de pessoas ignorantes, por isso não investiam na educação e é a pura verdade. Quanto mais "manipulável" o povo, melhor para quem quer ganhar.
    Digo pra marido e pra muitos que a mídia é responsável por boa parte do estrago no ser humano. Há muito deixaram seu trabalho sério de apresentar informações para especularem e valorizarem o que não presta... Novelas, telejornais e muitos programas só valorizam o que é errado, afinal "é moda", "dá ibope", né? Eu me distanciei da TV há muito tempo.
    Muito boa escrita do Romeu, por isso vou continuar defendendo os laços familiares. As pessoas precisam entender que a vida é o que realmente importa.
    Abraços esmagadores e feliz semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, Márcia, gratidão!
      Acredito que os professores são os que mais têm contato com essa triste realidade, com uma classe de 35, às vezes, até de 60 alunos, são obrigados a fazer vista grossa para muitas situações, que deveriam ser tratadas em casa, na família.
      Honestidade e respeito ao próximo, são lições que se aprende em casa, se a criança vive num ambiente familiar onde não lhe são incutidos ou onde não priorizem esses valores, certamente, não agirá corretamente e praticará a agressividade velada ou ostensivamente.
      Os meios de comunicação também estimulam esse comportamento negativo, como diz, "especulando e valorizando o que não presta"... O "malandro esperto" é "moda", faz a cabeça da mídia, é sinônimo de sucesso, não importa quantos lesou ou quem matou.
      Sinceramente, não saberia como lidar, assim como não soube evitar que o mal entrasse em minha casa, acreditando que todo mundo é bom, é só uma questão de oportunidade, não, quem cultua e pratica mal, dificilmente se recupera, quem já experimentou o prazer em maltratar os outros, dificilmente se regenera.
      Precisamos estar atentos e perceber a diferença entre o bem e o mal, para que os nossos filhos não tenham má influência, para que não sejam contaminados por esse lixo humano.
      Precisamos valorizar a Vida e não quem se dá bem na vida, ceifando Vidas!
      Tenha uma excelente semana, abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir
  7. Olá pessoal!!
    Eu fico grato pela atenção de todos e esperançoso por saber que existem pessoas com a mesma preocupação... Esses comentários me trazem motivação para continuar escrevendo e assim colaborando para o despertar de uma consciência mais "sóbria" (a consciência é sóbria) em um tempo onde as pessoas estão "embriagadas com a ignorância"!
    Todos, sintam-se abraçados!! Deixo meu carinho e gratidão...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, Romeu, fiquei imensamente feliz por sua generosidade e por notar que é esse o caminho, destacar pensadores, educadores para que nos auxiliem a refletir sobre o assunto que tanto nos incomoda a "Cultura do Mal", despertando nossa consciência para uma ação concreta de erradicação do mal. Quanto mais trabalharmos esses assuntos, tanto mais poderemos alcançar aqueles que ainda se abstém do conhecimento, porque a ignorância nada soluciona.
      Seguindo sua linha de pensamento, tomo a liberdade de postar, se me permitir, "Violência, Humanização e respeito".
      Agradeço, desejando que continue, sim, sua linha de pensamentos, suas inquietações também são nossas preocupações.
      Abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir
    2. Muitíssimo obrigado Maria Teresa...
      Fique a vontade para compartilhar as reflexões! para mim é uma honra!!
      Estamos juntos nesta...
      Abraço fraterno !!!

      Excluir