Com amor, todo sonho é possível

Síndrome da Figueira Frondosa!

Ocaso em 23/08/2016 - às 17:26 horas.

SÍNDROME DA FIGUEIRA FRONDOSA.
Sempre que ouço alguém dizer assim: “Eu sou uma pessoa verdadeira e transparente”, desconfio. Tem coisas que dispensam propaganda. Se alguém é de fato verdadeira e transparente, não precisa dizer, mas será naturalmente reconhecida por estas características. Quem sai em defesa de suas qualidades possivelmente não as tenham. Aquilo que sou é mais bem definido pelos que me observam, não por mim mesmo, posto sermos todos nós hipócritas.
Talvez os mais hipócritas sejam os que acabaram de discordar desta afirmação acima, já que ao discordar, estão, na verdade, elogiando a si mesmos.

A hipocrisia foi duramente combatida por Jesus Cristo, como sendo um dos piores vícios ou pecados. Os escribas e fariseus sofreram severa crítica dele por suas posturas tão semelhantes às nossas, cheias de fantasias exteriores. Máscaras.

A hipocrisia se define pelo indivíduo “duas caras”, mascarado, que diz uma, mas faz outra coisa. Atitude muito encontrada no meio político e também religioso, já que nestes meios circulam pessoas como eu e você.

O moralista francês François Rochefoucauld, desencantado com o gênero humano revelou, de maneira mordaz, a essência do comportamento hipócrita: “A hipocrisia é a homenagem que o vício presta à virtude”. Ou seja, todo hipócrita finge emular comportamentos corretos, virtuosos, socialmente aceitos.

No capítulo onze do Evangelho de Marcos lemos que “… Vendo Jesus de longe uma figueira que tinha folhas, foi ver se nela acharia alguma coisa; e, chegando nela, não achou senão folhas, porque não era tempo de figos.”

Jesus secou uma figueira. Amaldiçoou e secou porque foi até ela procurar figos e nada encontrou se não folhas. A figueira primeiro dá os figos e só depois nascem as folhas. Figueira com folha é figueira que deve ter fruto. Mas Jesus, com fome, encontrou uma figueira hipócrita. Linda, cheia de folhas, frondosa, mas que mentia. Tinha jeito de quem estava produzindo, mas nada produzia. Tinha aparência, mas não essência. Uma figueira mentirosa, fingida, mascarada por sua folhagem, com aparência de virtude, mas, uma propaganda enganosa. Uma figueira fingida: a síndrome da figueira frondosa. Por isso a figueira foi amaldiçoada, por despertar nas pessoas falsas expectativas e desejos que não poderiam ser satisfeitos, uma defraudação do faminto.

Jesus não amaldiçoou a figueira por ela não ter fruto e nem por ela não dar frutos. O texto conta que não era tempo de figos. Nem todas as pessoas darão frutos todo o tempo e algumas pessoas serão naturalmente mais frutíferas em suas vidas que outras pessoas. A questão não é dar ou não frutos. A questão é fingir que tem frutos.

Você não ser uma pessoa boa, não é problema para Deus, mas você hipocritamente fingir ser uma pessoa que de fato não é, isto é uma mentira que Deus não tolera: hipócrita! Quando vemos os perfis nas redes sociais descobrimos o quanto gostamos de nos pintarmos mais belos, cultos, “smarts” e antenados do que realmente somos…

Nossa objetivo deve ser, racionalmente, travar uma luta contra a “síndrome da figueira frondosa”. Não fingir ser o que, de fato, não sou, mas assumir-me em minhas fraquezas, medos, inseguranças, feiúras, burrices, egoísmos, arrogâncias, preconceitos… Lutando diariamente contra as minhas mazelas comportamentais e existenciais.

--------------------------

Assista ao filme clicando neste link:
http://www.cafecomdeus.com.br/sindrome-da-figueira-frondosa/
cafecomdeus.com.br

Abraços carinhosos

19 comentários:

  1. Boa noite, qeurida Maria Teresa!
    Jesus falaria o mesmo para nós todos hoje em dia: hipócritas! Bando de sepulcro caiados... pois o somos de fato!
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, Roselia, concordo!
      Felizes dias, abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir
  2. Olá, querida Teresinha!

    Conheço alg. síndromes, nem k seja só de nome, mas esse eu não conhecia, não, mas estamos, diariamente, aprendendo.

    Evidente que nenhum pai, nem nosso Pai gosta de mentira e de hipocrisia e portanto tem de castigar (ai, agora, k todo o mundo fala de diálogo, de não violência, de tolerância, de, de, de, enfim, têm de ler a bíblia, concluo e há mesmo situações em k os filhos menores, crianças, vão à esquadra da polícia fazer queixa dos progenitores, pke levaram uma palmada por terem dito/cometido disparates), e no caso da sua postagem, Jesus até amaldiçoou a figueira. Deus sabe, perfeitamente, quem se faz passar pelo k não é e conhece todos os corações. Na hora certa, todos seremos julgados.

    Beijos e um dia bem luminoso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, CÉU, gratidão!
      A hipocrisia é o mais sórdido dos comportamentos humanos, as pessoas se vestem de boas e laçam outros seres para enganar e se beneficiar.
      A pensar pela parábola, decerto pessoas que enganam, são secas de sentimentos, assim como a figueira, que Jesus secou...
      Acredito que pagam em vida mesmo, nunca têm paz, seus frutos são amargos, como amarga é a sua vida, por mais que tenham, nunca se saciam, secam!
      Dias felizes e abençoados, abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir
    2. Teresinha, querida!

      Jesus amaldiçoou aquela figueira, pke se fez passar pelo k não era, mas isso foi para dar o exemplo a todos nós. Não seria?

      Agora, as figueiras dão figos, normalmente, uns brancos, outros roxos. Me esclareça, por favor!

      Beijos com estima.

      Excluir
    3. Sim, CÉU, porque a figueira estava cheia de folhas, como se tivesse frutos...
      Pesquisei e é natural a coloração dos frutos brancos e e outros roxos.
      "Nome científico : Ficus Carica

      Origem : É originária da região do Mediterrâneo e o seu uso iniciou-se na Idade da Pedra.

      Descrição : A figueira-comum, também designada como figueira-da-europa, figueira-de-baco, figueira-de-portugal, figueira-do-reino e figueira-mansa (Ficus carica) árvore da família Moraceae, que pode atingir em média oito metros de altura. Trata-se de umas das primeiras plantas cultivadas pelo homem. O figo comestível é o fruto da figueira-comum.
      A figueira é a primeira planta descrita na Bíblia, quando Adão se veste com suas folhas, ao notar que está nu.

      Seus ramos frágeis possuem folhas recortadas, tendo entre cinco e sete lobos; suas flores de pequeno tamanho desenvolvem-se no seu interior quando ainda são inflorescências.

      Os figos de Ficus carica e de outras plantas do gênero Ficus podem constituir uma inflorescência se possuirem somente flores e uma infrutescência se as flores forem fertilizadas e se transformarem em pequenos aquênios, frutos, que contêm a semente.

      Os figos são de estruturação carnuda e suculenta, têm a coloração branco-amarelada até roxa, são comestíveis e altamente energéticos pois são ricos em açúcar.

      Os figos de Ficus carica podem ser provenientes de plantas masculinas ou femininas, embora os figos comestíveis sejam da planta feminina. O figo da planta masculina é designado por caprifigo, e não é comercializado; a sua designação provém do seu uso antigo na alimentação de cabritos. No cultivo de figos, na Europa, é comum levar caprifigos à plantação de figueiras para que as vespas do caprifigo fertilizem os figos das plantas femininas, num processo designado por caprificação."

      Felizes dias, abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir
  3. Não sendo boa fotógrafa, como você mesma afirmou, olhe k seus ocasos parecem renascimento da vida. Lindos, Lindos! A cor do céu se confunde com a natureza.


    Beijinhos, Teresinha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gratidão, CÉU!
      Minha linda amiga, com uma belezura dessas, nem precisa ser fotógrafa, mas se eu soubesse manejar a máquina, na certeza, poderia explorar melhor esses momentos.
      Abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir
    2. Teresinha,

      sabe que eu nem k veja a mior das belezuras, consigo sequer pegar numa máquina fotográfica. Já tentei, mas a cooco ao contrário e não sei enquadrar, nem pessoa, nem paisagem. resumindo, não gosto de fotografar.

      Outra coisa e te falo, de coração. Eu acho k a fotografia é o momento. Depois, no minuto seguinte, já nada é igual, portanto é passado.

      Beijos com carinho.

      Excluir
    3. Olá, CÉU, adoro fotografar, justamente por querer guardar o momento, que jamais se repetirá, mas só guardei fotos dos meus avós, da minha mãe e do meu pai. As fotos e lembranças dos filhos entreguei a cada um, as fotos de ex queimei-as todas, não guardo nada que lembre o passado, a não ser da minha origem.
      Abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir
    4. Compreendo perfeitamente sua atitude, Teresinha!

      Eu não gosto de fotografar, mas gosto de ser fotografada. Uma confidência: entre os meus 17/25 anos fui modelo fotográfico, rosto, sobretudo, e portanto foram mtas as horas k passei em estúdios, acompanhada sempre, por minha mãe k delirava com aquele glamour todo e eu tb, obviamente. Mtas poses, mto trocar de roupa, enfim, juventude.
      Tudo se realizava a nível local, numa vila, bem pertinho de Lisboa e onde as meninas bonitas, sensuais e um tanto ousadas pra época se expunham, mas sem EXPLORAÇÃO, de espécie alguma.

      Eu tb tenho fotos de meus pais, do avô João, meu rei, minha referência maior, da Tita (tia materna, de nome Rita, k eu batizei de Tita, pke qdo criança não conseguia dizer o nome dela, corretamente) e de outros familiares.

      Minha família se resume a um tio, por afinidade, k vive na Bélgica e a uma dúzia de primos/as, uns cá, outros no estrangeiro, mas eu sou mto feliz assim. Tenho poucos amigos, mas mtos conhecidos e gosto de ser eu a decidir a minha vida, os lugares onde quero ir, sem timings, sem imposições, enfim, livre, decente e conscientemente.

      Eu sou a única desses primos/as todos, k possui fotos dos pais deles, irmãos, etc. e k vou tratar das sepulturas de TODOS, pke eles estão sempre mto ocupados. Uma e um são médicos, outra psicóloga, outro advogado, k é um troca-tintas a valer e te digo k não gosto de visitar cemitério, mas quem faz, caso não seja eu?

      Raramente, vejo as fotos, pke isso me incomoda, emocionalmente. Então, lembro deles em vida, qdo estavam felizes e com bom aspeto. Esses momentos, eu quero guardar, os outros, NÃO!

      Beijinhos, querida!

      Excluir
  4. Amiga, que belo texto. Parabéns!
    Conhecemos a árvore pelos seus frutos.
    Muitas árvores vivem a sensação de bem-estar e estou abortando seus frutos, antes mesmo que floresçam.
    Vaidade das vaidades, disse o rei Salomão.
    Tudo é vaidade
    Você foi extremamente feliz ao escrever este belo e análogo texto.
    Creio que todos nós por meio dele, estamos nos olhando para dentro, não querendo ser como esta figueira.
    Então amiga, lutemos e não deixemos que sejamos amaldiçoados.
    Não podemos produzir frutos amargos.
    Teresa, nem imagina a vontade que tenho de conversar pessoalmente com você.
    Sinto bem, quando estou aqui falando com você.
    Sei que você é uma boa árvore e te conhecemos assim, pelos frutos que produz.
    Acredito também que seja uma árvore, quando o viajante cansado da estrada, para, descansa debaixo de sua sombra.
    E que Deus nos abençõe e nos livre de toda tentação!
    Receba o meu carinhoso abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém! Que Deus não nos abandone!
      Bom dia, Marilene, gratidão!
      Perdoe, minha amiga, este texto não foi escrito por mim eu o transcrevi da página Café com Deus - Facebook, não tenho o talento maravilhoso de interpretar e dissertar sobre a Bíblia e as parábolas de Jesus Cristo. Sou apenas uma mulher que errou e demorou muito a encontrar o caminho para se levantar e, hoje tenta passar uma mensagem de esperança para que não sejamos amaldiçoados como a "figueira" e, quando li esse texto, achei muito apropriado para este momento, "Síndrome da Figueira", infelizmente, não é um fruto meu.
      Marilene, sou admiradora de seu talento tão especial e dos textos maravilhosos que publica, da compreensão que tem do ser humano, por ser uma guerreira e ao mesmo tempo muito delicada e gentil.
      Gostaria imenso de conhecê-la, mas do jeito que sou tímida, travaria diante de sua competência...
      Gratidão, amiga, felizes e abençoados dias, abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir
    2. Querida Teresa, nem imagina que tenho certa timidez, que não encaro uma plateia dentre outros. Agradeço o elogio, mas creio que há exagero. Não sou bem assim. Sou uma pessoa comum.
      Todos nós erramos a todo o momento e todos nós somos capazes de cometer todos os pecados possíveis, caso não aja temperança.
      Creio que Deus já lhe tirou o tal fardo passado, que não mais necessidade de andar encurvada, mesmo ainda vivendo as consequências. O importante de tudo foi você lutar e conseguir dar um basta na tal subserviência.
      E, caracas, não percebi a autoria do texto. E que, o autor me desculpe pela grave falha.

      Excluir
    3. Talvez achamos que demoramos ou fomos precipitados ao tomar determinadas atitudes. Contudo, paro e penso: Tudo tem o seu tempo certo!

      Excluir
    4. Sabe amiga, muitas vezes Deus já nos perdoou e ficamos nos culpando, procurando justificativas para nossos erros, comportamentos. Eu gosto muito de detalhar tudo diante de Deus. Então desabafo de forma íntima e sei que não serei traída em minhas confidências. Isto tem me dado muito suporte para suportar as trapaças da sorte. Por isto manifestei vontade conhecê-la mais de perto, embora a tenha como um modelo a ser seguido. Bastou a sua sinceridade aqui escrita. Dificilmente encontramos pessoas assim. Beijos mil.

      Excluir
    5. Boa noite, Marilene, já respondi estes teus comentários por 3 vezes e na hora de publicar desaparece, vou tentar de novo...
      Em 1º lugar, não há exagero, não você tem um curriculum invejável e uma capacidade de dissertar que poucas pessoas têm, timidez não lhe tira o mérito.
      Sabe, Marilene, fico muito preocupada com a pessoa que está precisando de uma palavra, para se libertar do jugo do agressor, é muito fácil falar eu cheguei aqui, difícil é a mulher entender que eu também passei pelo que ela está passando e, que precisei me libertar dos erros e dos medos que me paralisavam.
      Mostrar a essa mulher que está acuada, que há vida além daquela que está vivendo, que quanto mais tempo ela permanecer em uma relação de risco, menores são as chances dela sair com vida.
      Preciso mostrar que errei muito em ficar, mas que quando tomei consciência que aquilo nunca ia mudar, tudo ficou mais claro. Mostrar que, mesmo que a Delegacia de Polícia não fizer nada, ela deve procurar a Defensoria Pública para receber Medidas Protetivas e, se nada disso der certo, o jeito é tornar público!
      Sempre tomei como norma de vida a sinceridade e para esta luta, mais ainda, é uma questão de honra.
      Gratidão, Marilene, Deus te abençoe, abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir
  5. Olá Maria Teresa!
    Excelente reflexão... muito oportuno!! Eu li este texto na bíblia dezenas de vezes mas nunca tive esta visão. Isto significa que precisava de um conhecimento "científicio" (a respeito da figueira - que você nos proporcionou) para chegarmos este entendimento... Quero parabenizá-la pelo espaço que você abre para reflexões diversas... a abertura para discussões sobre temas importantes. E isso acontece porque você tem um olhar sensível... uma percepção refinada. Em outras palavras, vc sabe ouvir primeiro para depois discernir (e o discernimento é uma capacidade que precisa ser treinada, e para isto é preciso estar aberto carregado de humildade). Enfim, você pode não concordar com certas linhas de pensamento, mas tem muito respeito pelas opiniões (isto eu já percebi).
    Apesar de não conseguir mais ser uma pessoa regiliosa (por questões teológicas) eu tenho profundo respeito por uma pessoa que conseguiu realmente, através da humildade, expressar o verdadeiro significado da caridade...
    Mas, acredito eu, que a hipocrisia, assim como outras características é implantada e aperfeiçoada no ser humano (graças a um conceito de "educação" que é distorcido por ser cheio de deficiências) que são as várias máscaras que desenvolvemos durante a vida, infelizmente.
    Como fui indiretamente citado num comentário (e isso é também uma forma de hipocrisia - digo isto respeitosamente porque defendo o direito de expressão. Mesmo porque não critico pessoas mas sim comportamento. Consigo separar bem isto) vou fazer alguns comentários:
    Quando eu escrevo, primeiro eu reflito sobre mim mesmo. São inquietações que primeiro me incomodaram ou incomodam. Eu acredito que o ser humano consegue mudar apontando para si mesmo, identificando suas mazelas e tudo aquilo que pode ser desconstruido através de um novo entendimento e aberto para o Saber (digo sobre virtudes). Eu não sou tolerante com "falta de educação", com agressividade, com desrespeito, etc. Eu tenho dois filhos. O mais velho, já com 18 anos, foi criado apanhando até seus 8 ou 9 anos. Eu repetia nele o comportamento que havia copiado de minha mãe. Fui, durante sua infância uma pessoa (religiosa) ignorânte, inflexível, agressiva (dentro de casa e na rua era uma pessoa doce) e fechada com minhas apologias (equivocadas). Me arrependo profundamente e por isso pedi perdão ao meu filho (toda vez que me lembro dessa fase sinto dor na alma e se torna uma dor física. Mas acredito que esta lembrança seja meu castigo. Meu caçula tem 12 anos e não apanhou. Ambos são extremamente educados e delicados. Possuem a liberdade de expressarem seus pensamentos e sentimentos, tudo de forma respeitosa. Meu filho mais velho trabalha, é independente (com 18 anos). Ele é muito forte (não digo fisicamente). Não pelas surras que levou, mas pelas desconstruções que juntos fomos fazendo até aqui. E o menor também caminha dentro deste conceito (cada um com sua singularidade). Aprendem a respeitar o outro, a serem cordiais tratando a todos com gentileza (não são bobos), sabendo se colocar no lugar do outro sempre quando possível. E sabendo que sempre irão identificar novos equívocos e melhorar em outros tantos. Erram como todos os serem "normais", mas conscientes de que podem avançar sempre.
    Concluo dizendo que não quis mostrar aqui um mundo de conto de faldas ou de Alice, mas uma realidade que pode ser alcançada com muita vontade de mudança, muito trabalho, se "quebrando" e jogando fora tudo que não é produtivo, e se aperfeiçoando sempre.
    Maria Teresa, me desculpa pelo texto longo...
    Grande abraço de uma pessoa que aprendeu a te admirar e respeitar por tua força e ao mesmo tempo por tua sensibilidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, Romeu, gratidão!
      Não quero de forma alguma me colocar como a dona da razão ou como o mais humilde dos seres, sou uma pessoa que sofreu agressões e presenciou violência e morte de minha mãe na infância, que procurou superar e tentou criar uma família de forma diferente, para não repetir os mesmos erros, no entanto, vivenciou todos os tipos de agressões, inclusive dos filhos.
      Uma pessoa que teve a pretensão de achar, aos 20/25 anos, que conhecia tudo no mundo, que batalhou, que estudou, que lutou para dar o melhor aos filhos e só errou, errou ao achar que havia escolhido uma pessoa decente para pai de seus filhos, errou em querer fugir da vida, quando não viu mais saída para o erro cometido, errou em adoecer, por não conseguir dizer não a um meliante, que roubou-lhe a vida na "mão grande".
      Você, Romeu, tomou consciência a tempo, conseguiu desfazer os mal entendidos, desconstruir, refazer a trajetória com seu filho mais velho e criar o mais novo de uma maneira mais consciente.
      O mundo não é, realmente, um conto de fadas, o mundo é feito de pessoas como você e eu que, através de nossos erros e acertos, procuramos passar a mensagem que nem tudo está perdido na vida, que mesmo errando, temos a chance de mudar.
      Fiquei presa a um mundo, me culpando e não vendo saída, que não fosse a morte, de tanto ouvir que só sairia morta do casamento.
      Não me importo de falar dos meus erros, porque meu maior acerto, foi encontrar na religião e, em Cristo, a resposta para a minha agonia e criar coragem para enfrentar o meu algoz. Talvez não tivesse encontrado antes, porque precisava conhecer o coração de cada um dos meus filhos, minha maior decepção, por isso não lastimo o tempo que deixei de viver, mas alerto a todas as mulheres para não se arriscarem, para não se deixarem levar por parentes, podemos não valer para mais ninguém, se estou viva eu devo a Jesus Cristo e seu amor por mim, que me libertou e salvou!
      Quando estamos dispostos a mudar, tudo conspira a nosso favor, disso tenho plena certeza. Busquei por anos a fio, só quando estava preparada, tudo se realizou.
      Agradeço muito, Romeu, pela confiança, gostaria de estar sempre em contato, aproveitando "Seus pensamentos e inquietações", que muito colaboram para as nossas reflexões e amadurecimento.
      Tenha dias felizes, abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir