Com amor, todo sonho é possível

Não quero ter razão...

Não quero ter razão, 

quero ter paz para viver tudo que sou


Todas as vezes que destruíram meus sonhos, eu os refiz. Um por um. Costurei todas as partes, colei todos os cacos, pintei todas as lacunas, até que, contente, os vi refeitos.
E quando não foram os meus sonhos, mas eu a ser diminuída. Sangrei minhas dores, chorei minhas feridas, mas cuidei de cada uma delas para, depois de tudo, me ver ainda mais forte.
Pois, não sou de vidro, para me quebrar e morrer no piso da desesperança. Não sou de pano para que me façam de trapo e pano de chão. Não sou de ferro, para virar faca e espeto.
Eu sou de carne. Sou de carne, osso e sentimento. E chorei por dentro todos os gritos que me forçaram os ouvidos. Estremeci pelas acusações grosseiras. Pela falta de amor. Mas não caí, pois não sou castelo de cartas que se desfaz com um sopro, tão pouco um de areia que pode ser estupidamente pisoteado.
Tenho paciência de sobra, mas o tempo me ensinou que é melhor tomar distância de quem não me estima.
Sigo então meu caminho, reconstruindo meus alicerces em outros cantos. Cantos gentis nos quais borboletas não apenas voam, mas dançam.
Não tenho mais medo de buscar no mundo novos caminhos. Não tenho mais medo de me fazer bonita e soltar meu coração, como quem solta um cão encoleirado, em um grande parque repleto de flores lindas e selvagens.
E quando permito que meu coração corra de um lado para o outro, animado e exultante, esqueço das coisas ruins e sigo em frente.
Se me gritam ao longe, como quem grita uma blasfêmia. Faço que não é comigo. Não dou mais bola para quem ofende. Quero distância dos que gostam de ser os donos da verdade. Não quero ser dona de nada, nem de ninguém. Fui despertada de um sonho por um príncipe que saiu para comprar cigarros e não voltou. Os contos de fada não me cabem mais.
Por favor, não me chamem de princesa. Eu cresci. Virei rainha de mim. Não vivo mais nesse reino no qual um rei profano perambula na barriga das pessoas. Não quero ter razão. Quero ter paz para viver tudo que sou.
Acompanhe a autora no Facebook pela sua comunidade Vanelli Doratioto – Alcova Moderna.

Gratidão, Vanelli Doratioto!
"Um dos maiores prazeres da Vida 
é fazer o que os outros dizem que você não é capaz."
(Ana Maria Braga 29/04/2016)

Dê um tempo pra quem não tem tempo pra você!
(Ana Maria Braga 05/10/2016)
Viver é assim,
se não tiver talento,
esforce-se!
Maria Teresa
"Quando a dor de não estar vivendo for maior
que o medo da mudança, a pessoa muda!"(Freud)
Agradeço pela minha Vida, que o Senhor Jesus resgatou e restaurou!
Agradeço a Deus, que por Sua Graça e Misericórdia,
me permite servi-Lo com alegria!
Abraços carinhosos

8 comentários:

  1. Boa tarde, colega Maria Teresa!
    Belo texto, excelente frase de Freud. É bem assim que acontece...
    Ho, ho, ho! Minha postagem nova, chegou!
    Dê uma passadinha lá em "GAM Dolls (2)" e confira, está bem cultural e legal.
    Tenha um fim de semana supimpa, uai!
    Abração pra você. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, GAM, gratidão!
      Tenha uma excelente semana,
      abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir
  2. Um texto profundo e reflexivo como todos os posts que você constroi, Maria Teresa.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gratidão, Nina!
      Felizes dias, abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir
  3. Excelente post para pensar profundamente.
    Parabéns pela seleção.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gratidão, Marilene!
      Esse texto calou fundo em mim...
      Abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir
    2. Muitas vezes, com tristeza preciso aplicar "Tenho paciência de sobra, mas o tempo me ensinou que é melhor tomar distância de quem não me estima.
      Sigo então meu caminho, reconstruindo meus alicerces em outros cantos. Cantos gentis nos quais borboletas não apenas voam, mas dançam".
      Então querida vi o brilho do sol entrar pelas frestas da janela naquela marcante manhã.
      Incluo aqui principalmente meus familiares.

      Excluir
    3. Gratidão, Marilene!
      Paciência foi minha companheira por quase 40 anos, justo eu, que batia no peito que não aceitaria isso e aquilo, mas fui obrigada a engolir...
      Depois de arrancar minhas vísceras, me acalmei e fico muito feliz pelo simples fato de estar viva.
      Meus filhos estão voltando, mas aquela alegria de entrega e confiança, já não sinto mais, é duro falar assim, infelizmente essa é a nova realidade!
      Bom que você conseguiu reconstruir seus alicerces, eles são nossa estrutura... Deus te abençoe!
      Felizes dias, abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir