Com amor, todo sonho é possível

Vamos falar mais claro!!!


Vamos falar mais claro sobre Suicídio?

Se você conhece alguma pessoa
que se aprisionou a um mundo
que julga não ter saída e,
pensa em se suicidar,
mesmo que não fale,
mas que se encontra deprimida,
que está sendo humilhada,
agredida,
torturada,
violentada física, mental, psicológica,
emocional, social e financeiramente,
que está sendo desprezada,
traída,
rejeitada e
que tenta fugir e nunca consegue,
porque é obrigada a engolir o indivíduo
"até que a morte os separe"...

Se a pessoa tem histórico familiar com suicida...

Todos temos nossos limites e,
muitas vezes,
essa pessoa pode estar 
na fina linha que divide,
reagir ou se matar...

Pense nisso!!!

Não tire conclusões precipitadas,
não discrimine,
não julgue, não condene,
apenas ajude!!!

Não ignore!!!
Você não conhece a história da pessoa,
não sabe de suas dores,
 dissabores e pesares
 
Valorize a pessoa,
fale das qualidades da pessoa,
fale de Deus, o quanto Ele a ama,
faça com que a pessoa se sinta útil!

 Encaminhe a um profissional competente,
permita que a pessoa fale,
que desabafe,
quanto mais ela falar,
tanto melhor para desconstruir a ideia de se suicidar..

Agradecemos a Deus e,
aos Anjos que Ele colocou em nosso caminho,
que ouviram nossas dores, temores e pavores, com muita paciência,
tendo sempre uma palavra de confiança e esperança, para nos confortar...

O CVV - Centro de Valorização da Vida realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone, email, chat e Skype 24 horas todos os dias.

Já fui atendida pelo CVV, tentei ligar para o 141, não consegui, 
deixo o link abaixo para que possam localizar o mais próximo: 


http://www.cvv.org.br/chat.php

http://www.cvv.org.br/postos-de-atendimento.php
 
http://www.cvv.org.br/skype.php

http://www.cvv.org.br/email.php

http://www.cvv.org.br/enderecos.php


http://www.cvv.org.br/index.php


Excelente matéria da: Associação Brasileira de Estudos e Prevenção de Suicídios - ABESP

http://www.abeps.org.br/prevencao/centro-de-valorizacao-da-vida/

Diversos fatores podem impedir a detecção precoce e, consequentemente, a prevenção do suicídio. O estigma e o tabu relacionados ao assunto são aspectos importantes. Durante séculos de nossa história, por razões religiosas, morais e culturais o suicídio foi considerado um grande "pecado", talvez o pior deles. Por esta razão, ainda temos medo e vergonha de falar abertamente sobre esse importante problema de saúde pública. Um tabu, arraigado em nossa cultura, por séculos, não desaparece sem o esforço de todos nós. Tal tabu, assim como a dificuldade em buscar ajuda, a falta de conhecimento e de atenção sobre o assunto por parte dos profissionais de saúde e a ideia errônea de que o comportamento suicida não é um evento frequente condicionam barreiras para a prevenção. Lutar contra esse tabu é fundamental para que a prevenção seja bem-sucedida.


Erros e preconceitos vêm sendo historicamente repetidos, contribuindo para formação de um estigma em torno da doença mental e do comportamento suicida. O estigma resulta de um processo em que pessoas são levadas a se sentirem envergonhadas, excluídas e discriminadas. A tabela abaixo ilustra os mitos sobre o comportamento suicida. O conhecimento pode contribuir para a desconstrução deste estigma em torno do comportamento suicida.
Mitos sobre o suicídio

Mitos
Verdades

O suicídio é uma decisão individual, já que cada um tem pleno direito a exercitar o seu livre arbítrio.
FALSO. Os suicidas estão passando quase invariavelmente por uma doença mental que altera, de forma radical, a sua percepção da realidade e interfere em seu livre arbítrio. O tratamento eficaz da doença mental é o pilar mais importante da prevenção do suicídio. Após o tratamento da doença mental o desejo de se matar desaparece.

Quando uma pessoa pensa em se suicidar terá risco de suicídio para o resto da vida.
FALSO. O risco de suicídio pode ser eficazmente tratado e, após isso, a pessoa não estará mais em risco.

As pessoas que ameaçam se matar não farão isso, querem apenas chamar a atenção.
FALSO. A maioria dos suicidas fala ou dá sinais sobre suas ideias de morte. Boa parte dos suicidas expressou, em dias ou semanas anteriores, frequentemente aos profissionais de saúde, seu desejo de se matar.

Se uma pessoa que se sentia deprimida e pensava em suicidar-se, em um momento seguinte passa a se sentir melhor, normalmente significa que o problema já passou.
FALSO. Se alguém que pensava em suicidar-se e, de repente, parece tranquilo, aliviado, não significa que o problema já passou. Uma pessoa que decidiu suicidar-se pode sentir-se "melhor" ou sentir-se aliviado simplesmente por ter tomado a decisão de se matar.

Quando um indivíduo mostra sinais de melhora ou sobrevive à uma tentativa de suicídio, está fora de perigo.
FALSO. Um dos períodos mais perigosos é quando se está melhorando da crise que motivou a tentativa, ou quando a pessoa ainda está no hospital, na sequência de uma tentativa. A semana que se segue à alta do hospital é um período durante o qual a pessoa está particularmente fragilizada. Como um preditor do comportamento futuro é o comportamento passado, a pessoa suicida muitas vezes continua em alto risco.

Não devemos falar sobre suicídio, pois isso pode aumentar o risco.
FALSO. Falar sobre suicídio não aumenta o risco. Muito pelo contrário, falar com alguém sobre o assunto pode aliviar a angústia e a tensão que esses pensamentos trazem.

É proibido que a mídia aborde o tema suicídio.
FALSO. A mídia tem obrigação social de tratar desse importante assunto de saúde pública e abordar esse tema de forma adequada. Isto não aumenta o risco de uma pessoa se matar; ao contrário, é fundamental dar informações à população sobre o problema, onde buscar ajuda etc.

O reconhecimento dos fatores de risco e dos fatores protetores é fundamental e pode ajudar o profissional de saúde a determinar clinicamente o risco e, a partir desta determinação, estabelecer estratégias para reduzi-lo. Os médicos ainda não podem prever exatamente quem irá se suicidar, mas podem tentar reduzir os riscos. O detalhado conhecimento dos fatores de risco pode auxiliar os médicos a delimitarem populações nas quais os eventos poderão ocorrer com maior frequência. Os dois principais fatores de risco são: tentativa prévia de suicídio e doença mental.
A tentativa prévia de suicídio é o fator preditivo isolado mais importante. Pacientes que tentaram suicídio previamente têm de cinco a seis vezes mais chances de tentar suicídio novamente. Estima-se que 50% daqueles que se suicidaram já haviam tentado previamente. Sabemos que quase todos os suicidas tinham uma doença mental, muitas vezes não diagnosticada, frequentemente não tratada ou não tratada de forma adequada. Os transtornos psiquiátricos mais comuns incluem depressão, transtorno bipolar, alcoolismo e abuso/dependência de outras drogas e transtornos de personalidade e esquizofrenia. Pacientes com múltiplas comorbidades psiquiátricas têm um risco aumentado, ou seja, quanto mais diagnósticos, maior o risco. A tabela abaixo ilustra os principais fatores de risco associados ao comportamento suicida.
Principais fatores de risco associados ao comportamento suicida

Doenças mentais
Aspectos sociais




  • Depressão;
  • Transtorno bipolar;
  • Transtornos mentais relacionados ao uso de álcool e outras substâncias;
  • Transtornos de personalidade;
  • Esquizofrenia;
  • Aumento do risco com associação de doenças mentais: paciente bipolar que também seja dependente de álcool terá risco maior do que se ele não tiver essa dependência.


  • Gênero masculino;
  • Idade entre 15 e 30 anos e acima de 65 anos;
  • Sem filhos;
  • Moradores de áreas urbanas;
  • Desempregados ou aposentados;
  • Isolamento social;
  • Solteiros, separados ou viúvos;
  • Populações especiais: indígenas, adolescentes e moradores de rua.



Aspectos psicológicos
Condição de saúde limitante




  • Perdas recentes;
  • Pouca resiliência;
  • Personalidade impulsiva, agressiva ou de humor instável;
  • Ter sofrido abuso físico ou sexual na infância;
  • Desesperança, desespero e desamparo.


  • Doenças orgânicas incapacitantes;
  • Dor crônica;
  • Doenças neurológicas (epilepsia, Parkinson, Hungtinton);
  • Trauma medular;
  • Tumores malignos;
  • AIDS.


Suicidabilidade: Ter tentado suicídio, ter familiares que tentaram ou se suicidaram, ter ideias e/ou planos de suicídio.

Os fatores protetores são menos estudados e geralmente são dados não muito consistentes, incluindo: autoestima elevada; bom suporte familiar; laços sociais bem estabelecidos com família e amigos; religiosidade independente da afiliação religiosa e razão para viver; ausência de doença mental; estar empregado; ter crianças em casa; senso de responsabilidade com a família; gravidez desejada e planejada; capacidade de adaptação positiva; capacidade de resolução de problemas e relação terapêutica positiva, além de acesso a serviços e cuidados de saúde mental. Durante uma avaliação do risco de suicídio em um indivíduo, os fatores de proteção não devem ser usados para obscurecer aqueles fatores que identificam o risco de suicídio.
Fonte(s):
  • Suicídio: informando para prevenir*. Associação Brasileira de Psiquiatria, Comissão de Estudos e Prevenção de Suicídio. Brasília: CFM/ABP, 2014.
*Esta cartilha se encontra disponível para download na seção Material deste site.

Nossa eterna gratidão aos excelentes profissionais da saúde,
que nos atenderam em 1983 e, mais recentemente, em 2013.


"Um dos maiores prazeres da Vida 
é fazer o que os outros dizem que você não é capaz."
(Ana Maria Braga 29/04/2016)

Dê um tempo pra quem não tem tempo pra você!
(Ana Maria Braga 05/10/2016)
Viver é assim,
se não tiver talento,
esforce-se!
Maria Teresa
"Quando a dor de não estar vivendo for maior
que o medo da mudança, a pessoa muda!"(Freud)
Agradeço pela minha Vida, que o Senhor Jesus resgatou e restaurou!
Agradeço a Deus, que por Sua Graça e Misericórdia,
me permite servi-Lo com alegria!
Abraços carinhosos

2 comentários:

  1. Boa noite Maria Teresa.
    Meus parabens pela belissima postagem. Muitos deveriam seguir o seu exemplo e fazer o mesmo alerta. Quem sabe vidas não são salvas pela sua alerta e achei que abordou o assunto de uma maneira completa. Uma linda semana. Enorme abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, Mirtes, gratidão!
      É preciso falar sobre o assunto, para que possamos olhar e acolher a pessoa que necessita de ajuda...
      A minha família me discriminou, desprezou e rejeitou, mas, Deus foi misericordioso comigo, colocando anjos amigos e excelentes profissionais da saúde, em meu caminho.
      Agradeço, a todo momento, pela nova oportunidade de Vida.
      Feliz e abençoada semana, minha doce amiga, abraços carinhosos
      Maria Teresa

      Excluir