Com amor, todo sonho é possível

Que possamos ser livres à nossa maneira!


Nenhum texto alternativo automático disponível.
Que somente as coisas boas permaneçam acompanhando nossos dias!
Fé, acima de tudo, amor, paz, afetos, alegrias...!

Bom dia! Feliz semana!

- Amanda R S Araujo

Nenhum texto alternativo automático disponível.
Até que ponto nós mulheres usufruímos do termo liberdade?
 A qual tipo de liberdade estamos condicionadas?
Me peguei hoje com esses questionamentos e pude refletir sobre os tantos parágrafos a serem grifados sobre esse tema que ainda é tabu entre nós.
Nós, que desde crianças, somos ensinadas a nos comportar diante dos outros como algo intocável, frágil e dependente. Que pra sermos verdadeiramente felizes temos que seguir alguns modos e padrões, sempre submissos à algo ou alguém. Ensinadas a sermos obedientes e respeitosas diante do “superior gênero masculino”. Isso acontece com avidez na infância, - momento primordial da formação do caráter -, quando nossos brinquedos são casinhas, fogões, panelas e bonecas pra cuidarmos, nos privando de qualquer tipo de liberdade no sentido amplo da palavra e condicionando nossa felicidade apenas à isso.
Não é bem assim que funciona. É maravilhoso ser mãe, quando por livre escolha. É excepcional ser esposa, quando se tem um relacionamento leal e recíproco. É magnifico ser dona do lar, quando isso não se dá apenas por obrigação. Mas, estar disponível a outros ares, sem pesos, sem remorsos, faz parte do processo e é essencial para que todos os outros pontos sejam feitos com excelência.
Liberdade não pode ser condicionada. Todo indivíduo tem o direito de viver de acordo com a liberdade que está proposto a enfrentar. De aprender a conviver com os mistérios dos vários caminhos que a vida é capaz de proporcionar, embora escolher entre um caminho, seja renunciar outros. Aí está o verdadeiro sentido da palavra liberdade, ter livre arbítrio para nossas próprias escolhas e renúncias.
O mundo muda a cada dia, diversas foram as lutas, e continuam sendo, para que nós mulheres, pudéssemos ter o mínimo de participação nos diversos setores da sociedade, e hoje, mesmo que com inferioridade de direitos, ocupamos cargos de fundamental importância social. Isso ocorre quando tomamos consciência de que nosso papel social não está apenas direcionado a cuidar de uma minoria, mas, de um coletivo. Quando despertamos da necessidade de servir, não somente nossos homens, pais e filhos, mas, apresentar pra sociedade o papel que temos através de nosso trabalho, vontades, ideias e constante participação.
No entanto, embora seja indispensável, não refiro-me apenas à liberdade comportamental, mas da espiritual, que talvez seja a que alimenta todas as outras.
Desejo o direito pela liberdade plena, aquela capaz de alimentar egos feridos, de embrulhar de paz o coração imprudente. A liberdade de alma, de espírito. Quando nossa mente torna-se livre, a alma recebe sua alforria, os pudores não mais existem.
É preciso coragem para ser livre, pra manter a alma jovial e o espírito elevado para exercemos o papel que estivermos dispostas a desempenhar.
Nossa mente é nosso mundo!
Mulheres, sejamos livres de qualquer restrição de controle, de qualquer energia que aprisione, de qualquer situação de preceito, dos padrões que a sociedade tenta enfiar-nos goela abaixo afirmando ser o ideal.

Que possamos ser livres à nossa maneira é o meu desejo! Permitam-se!

Belas, recatadas e do lar? Só se quisermos!

- Amanda R S Araujo

Nenhum texto alternativo automático disponível.
Sejamos luz, sejamos caminho, sejamos esperança!
Sejamos sorrisos, sejamos afeto, sejamos boas lembranças!
Sejamos piedade, sejamos bondade, sejamos paz, sejamos ardor!
Sejamos calor, acalento pra dor, e acima de tudo, sejamos amor!
- Amanda R S Araujo

Gratidão, Amanda!

Agradeço pela minha Vida, que o Senhor Jesus resgatou e restaurou!
Agradeço a Deus, que por Sua Graça e Misericórdia,
me permite servi-Lo com alegria!
Abraços carinhosos

0 comentários:

Postar um comentário