Com amor, todo sonho é possível

60 anos sem Você, Mamãe!!!

Boa tarde, no dia 10 de janeiro,
completou 60 anos da morte
de minha mãe: 
60 anos sem Você, Mamãe!
Gratidão, minha Mãe,
pela Meiguice que me adoçou,
pelo Sorriso largo,
que minha Vida alegrou,
pelo seu Silêncio que me ensinou
nunca me calar...
Apesar de tudo continuar como antes,
grito para que me escutem,
grito para que me libertem,
grito para que não me matem,
grito para que as prisioneiras
 como Você e eu denunciem...
Mas, ninguém nos ouve,
ninguém nos socorre,
 tudo continua como sempre foi,
Só soube a verdadeira razão de sua morte,
Mamãe,
50 anos depois de você ter partido,
quando no leito de morte confessou:
"Me perdoe pelo que fiz à tua Mãe,
eu sou o único culpado por tudo
que aconteceu com ela."

E, esse arrependimento,
me fez acordar e
denunciar as violências
 que estava sofrendo calada!!!

Apesar de tarde,
foi uma forma sutil de me alertar,
uma forma de me dizer,
 o risco que eu estava correndo,
nas mãos do então marido,
que por dinheiro,
 era capaz de tudo,
até vender a própria mãe!
E, realmente,
quando ela adoeceu,
eu quis cuidar dela,
mas como ela não tinha dinheiro,
ele a despejou na casa dela,
para que os outros a cuidassem e
se apropriou do seu benefício...

Hoje me cobra por ter cuidado de meu pai,
meu pai pagou muito caro, ao impostor,
 pelos serviços mal prestados!
Se nem dos próprios filhos cuidou,
nunca se preocupou ou
perdeu noite de sono com eles,
nunca tratou ou ministrou remédios quando adoeciam,
dizia: "Não nasci pra ser babá"...
Mas fui obrigada a cuidar dele a vida inteira,
pagar faculdade, pagar convênio médico,
quitar suas dívidas, comprar suas roupas,
dar comida na boca,
 carregá-lo nas costas, literalmente,
aguentar suas traições, humilhações,
violências, estupro e as várias vezes
 que tentou me matar,
sem nunca reclamar,
 pois, segundo ele,
como era muito respeitado na cidade,
mesmo se denunciasse,
ninguém acreditaria em mim!
 Era minha obrigação de mulher!
Hoje luto,
para que a Mulher não se cale, fale;
- para que a Mulher se liberte do homem
que a aprisiona e mata;
- para que a Mulher denuncie as situações
de violência emocional, psicológica,
mental, física, social e financeira...

Estão nos matando sem dó, nem piedade!

Estão massacrando as Mulheres!!!

Nenhum texto alternativo automático disponível.


22/05/2012 | 09:21
Bom dia Teresa
Espero que tenha descançado bem chegamos muito tarde e tivemos que acordar bem cedo ainda estou meio zonzo de sono.
Voce ja houviu a minha resposta, sabe que só de pensar em viver sem voce eu fico maluco e sem condições de pensar.
Minha resposta é que te amo e não sei viver sem voce Um beijo e tenha um dia excelente.
Vamos nos falando.

Decepcionante e triste foi constatar,
que o delegado "respeitou", acobertou,
e defendeu o "poderoso" canalha,
não nos dando as Medidas Protetivas e,
arquivando os BO's...
Assim, 
constatamos,
infelizmente,
 que a mulher é, realmente,
discriminada e condenada 
pelo "poder" machista,
que não respeita a Mulher,
como ser humano,
como cidadã,
nos negando o Direito à Vida...

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto
Violência Contra Mulher Leis Efetivas

Sou elogiada por me superar,
não desistir e persistir na luta,
alertando e incentivando as Mulheres,
que estão em situação de risco ou violência, 
a denunciar e a pedir Medidas Protetivas!

https://1.bp.blogspot.com/-a5Xe2mtLsl4/Vrk7zSb9E1I/AAAAAAAAK3A/bhEIWZLYqtQ/s1600/2016%2B-%2B1%2B-%2BAA%2B-%2Bvcmc%2B-%2Bautoridade.jpg

Isso não é mérito meu:
primeiro observei o que aconteceu à minha mãe,
depois lembrei da falta que ela me fez e
concluí que não deveria repetir,
 porque foi e ainda é muito doloroso para mim,
a ausência dela...
Mas o que mais me valeu,
foi perceber que meus pais
 não eram cristãos,
assim eu busquei a Deus.
Me entreguei a Jesus Cristo,
que de mim se apiedou, me resgatou e salvou,
no momento mais difícil de minha Vida,
não me permitindo desistir!

Eu sou fraca, forte é Jesus Cristo que me acolhe,
me protege e habita em mim! 
Eu vivo "EM NOME DO SENHOR JESUS".
Esse é o Deus a Quem sirvo com alegria! 
Maria Teresa
"10 O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; (João 10)

Nada mudou...
Continuam assediando Mulheres!
Continuam humilhando Mulheres!
Continuam enlouquecendo Mulheres!
Continuam difamando Mulheres!
Continuam explorando Mulheres!
Continuam aprisionando Mulheres!
Continuam roubando Mulheres!
Continuam espancando Mulheres!
Continuam violentando Mulheres!
Continuam torturando Mulheres!
Continuam ameaçando Mulheres!
 Continuam estuprando Mulheres!
Continuam matando Mulheres!
Continuam culpando Mulheres!



Existem também as Casas Abrigo sob gestão da Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social - SMADS, que são:
1) Casa Abrigo Maria da Penha: contato através de qualquer Centro de Referência
2) Casa da Mamãe: contato através da Fundação Francisca Franco. Fone: (11) 3120-2342
3) Casa de Marta e Maria: contato através da Fundação Francisca Franco. Fone: (11) 3120-2342
4) CAE “Maria Rosa”: endereço sigiloso

5) CAE Abrigo para Mulheres da Comunidade I: endereço sigiloso

A Secretaria de Justiça do Estado também oferece uma Casa Abrigo, que é:
COM VIDA: Contato através da 1ª Delegacia da Mulher (DDM). Fone: (11) 3241-3328
Não se cale!
Denuncie!
 As Mulheres continuam sofrendo caladas,
por não terem quem as defenda,
por não terem quem as proteja,
mesmo com a Lei Maria da Penha,
têm muito medo de denunciar e, assim,
continuam sendo violentadas e mortas...
Enquanto os machões zombam de todos,
fazem piadas com a "Lei":
"Vou estourar a tua cara pra fazer valer a Maria da Penha."
"Sumo com teu corpo, que ninguém vai achar teu rastro."

A imagem pode conter: 1 pessoa

Lei Maria da Penha ainda não tem efetividade, alerta conselheiro do CNJ
A Lei Maria da Penha (Lei n. 11.340), após sete anos em vigor, ainda não tem a efetividade que deveria ter no combate à violência doméstica e contra a mulher, alertou, nesta quarta-feira (7/8), o conselheiro Ney Freitas, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Ele participou da abertura da VII Jornada da Lei Maria da Penha, realizada na sede do CNJ, em Brasília/DF, com o objetivo de debater ações voltadas ao fortalecimento da aplicação dessa lei.

“Toda e qualquer medida que possa ser aplicada de forma efetiva no combate a esse tipo de violência deve ser disseminada. Por isso que as jornadas têm essa vantagem, porque delas participam integrantes do Poder Judiciário de todo o País que vão replicando as suas experiências. Então tudo que possa tornar eficaz a aplicação da lei é importante, porque, lamentavelmente, nós ainda estamos vivendo um clima de aplicação da lei; a lei precisa ser aplicada, ela ainda não tem a efetividade que deveria ter”, frisou o conselheiro.

Ney Freitas, presidente da Comissão Permanente de Acesso à Justiça e Cidadania do CNJ, responsável pela realização do evento, destacou ainda que, ao realizar as Jornadas da Lei Maria da Penha, o Conselho opera como um catalisador, possibilitando a disseminação de boas práticas que buscam dar efetividade à referida legislação.

Caráter – O conselheiro observou que o Brasil avançou muito no campo da legislação contra a violência doméstica e contra a mulher. No entanto, ponderou que a mesma evolução não se deu no campo comportamental, já que os casos de agressão ainda têm números muito expressivos. “Nestes sete anos poucas leis foram tão disseminadas no País como a Lei Maria da Penha. Mas precisamos evoluir também no plano do comportamento. Se caminhamos rápido no plano legislativo, o mesmo não se dá no plano do caráter”, declarou o membro do CNJ, cujo mandato de conselheiro termina nesta quinta-feira (8/8).

Na solenidade, ele agradeceu o apoio prestado tanto pelo CNJ quanto por outras instituições ao seu trabalho à frente da Comissão Permanente de Acesso à Justiça e Cidadania, que, entre diferentes atribuições, é encarregada de trabalhar pela efetivação da Lei Maria da Penha.

Além de Ney Freitas, participaram da jornada o conselheiro José Lucio Munhoz; o juiz auxiliar da Presidência do CNJ e presidente do Fórum Nacional de Juízes de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher (Fonavid), Álvaro Kálix Ferro; a ministra-chefe da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci; a secretária nacional de Segurança Pública, Regina Miki; a juíza Morgana Richa, do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região, ex-conselheira do CNJ; a juíza Luciane Bortoleto, do Juizado Especial de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher de Curitiba/PR, representantes do Ministério Público, advogados e especialistas.

"O mal existe e tem gente que simplesmente não presta." Glória Perez

BOTAO DO PANICO EMERGENCIA A MEDIDAS PROTETIVAS OK INCENTIVADOR DA IDEIA POR UM HOMEM DEAMS DELEGACIA DA MULHER

Pedimos Respeito!
Respeito à Mulher!
Respeito à liberdade de escolha da Mulher,
de querer ir ou ficar,
abaixo a insistência opressiva, obsessiva e possessiva...
Respeito às Leis que nos protegem,
abaixo a impunidade machista!
Maria Teresa

Não se cale!
Denuncie! 

Nada, mas nada mesmo,
justifica a falta de caráter,
pobreza não traumatiza,
fui abusada, agredida e violentada na infância,
 passei por privações,
tendo que trabalhar pelo pão que comia,
desde os 11 anos,
nem por isso desisti ou culpei os outros;
passei por humilhações, explorações, violências,
tentaram me matar por diversas vezes,
nem por isso desisti ou culpei os outros
para justificar meus erros,
 reivindicando meus direitos! 

Quero junto a mim,
apenas quem respeita a minha casa e,
tão somente,
quem ama e respeita a minha alma!

Há uma palavra que circula muito hoje por aí,
 no campo da ética, que é "tolerância". 
Cuidado com essa palavra, porque tolerar significa suportar, aguentar.
 "Eu tolero que você tenha outra religião, que você não seja como eu" ,
 quase como se falasse "eu autorizo que você seja diferente".
A palavra mais adequada (e sólida eticamente),
 que precisa substituir "tolerância", é "acolhimento"
Acolher significa "eu te recebo em mim como igual".
Mario Sergio Cortella
"Se você ainda não achou uma causa pela qual valha a pena morrer,
 você ainda não achou razão de viver." Martin Luther King


"Ao escrever a história da sua vida,
não deixe ninguém segurar a caneta."
#mensagemdaAna 

Não se cale!
Denuncie!
 
Gratidão, Marilene Marques!

Agradeço pela minha Vida, que o Senhor Jesus resgatou e restaurou! 
Agradeço a Deus, que por Sua Graça e Misericórdia,
me permite servi-Lo com alegria!
Abraços carinhosos

0 comentários:

Postar um comentário