Com amor, todo sonho é possível

O Poder do Diálogo Interior Construtivo


Agradeço a Deus pela oportunidade de conhecer e
receber o excelente material da psicanalista Dra. Julia Barany,
"para sobreviventes de psicopatas"
a quem pedi licença para publicar aqui,
assim sendo, à medida que receber,
farei a publicação.
Gratidão,  Dra. Julia Barany!
A imagem pode conter: texto
Serenidade
Julia Barany





 

Muitos de nós crescemos ouvindo frases depreciativas sobre nós pronunciadas por nossos pais, e depois
 por nossos cônjuges, como “Você é um bobo/a”, “Você nunca vai dar certo na vida”,
 “Todos conseguem boas notas, menos você”, “Olha o seu irmão como é popular, você não, é um fracote”, 
“Ninguém quer você”, “Você é muito feio/a”, “Você é um perdedor”, “Você é um fracasso”,
 “Lamento o dia em que você nasceu”, “Eu nunca quis ter filhos, agora tenho que aturar você”,
 “Você é um estorvo na minha vida”.
Chega, não?
O pior é que essas frases ficam reverberando na nossa mente mesmo depois que nossos pais não estão mais 
conosco ou depois que nos separamos do cônjuge abusivo. Acreditamos nessas frases como sendo verdadeiras e
 continuamos pronunciando-as para nós mesmos num diálogo interior depreciativo. 
E essas maldições (porque são maldições mesmo!) se realizam na nossa vida.
 Não conseguimos progredir, não conseguimos encontrar amor na nossa vida, e estamos sempre por baixo,
 deprimidos e derrotados.
É preciso mudar este diálogo interior!
A cada frase negativa escreva uma frase positiva: “Eu sou inteligente”, “Eu serei bem-sucedido em tudo 
que empreender”, “Eu serei valorizado e apreciado”, “Não importa os outros, eu sei que sou bom”,
 “As pessoas vão perceber o meu valor”, “Sou atraente do meu jeito”, “O que eu quero fazer vai dar certo”,
 “Agradeço o dia em que nasci”, “Vou conseguir vencer minhas dificuldades”…
Essa lista de frases construtivas anula o efeito das frases negativas!
 Coloque-a num lugar da sua casa onde você possa lê-las frequentemente, até que as outras frases negativas
 percam por completo o poder sobre você.
 Parabéns, você mudou o seu diálogo interior e se tornou dono de sua própria vida.

O/a abusador/a psicopata muitas vezes entra na nossa vida por esta porta vulnerável. 
Ele/ela cria uma falsa apreciação de nós, contrária a essas frases negativas que ouvimos na infância, e 
nos agarramos a essa pessoa que enfim nos valoriza. 
Só que o psicopata o faz unicamente para conquistar você.
 Na fase do descarte ele volta a pronunciar essas frases negativas, e você cai na armadilha mais uma vez.
Ao fazer o exercício acima, e mudando o seu diálogo interior, você nunca mais cairá nessa armadilha. 
Você não dependerá de ninguém para saber que você tem valor. Você está livre.

A psicopatia consta no CID 10 com o número F 60, item Transtornos de Personalidade.

A psicopatia é um transtorno de personalidade antissocial.
Sendo um distúrbio de personalidade, NÃO é doença mental.

O psicopata não alucina, sabe muito bem o que faz. Planeja. Articula. Espreita.
Psicopatia não tem cura conhecida. Já se nasce com esta tendência, que se estabiliza na juventude. Nasce e morre psicopata.

Psicopata é um predador dos seres humanos: destrói sua vítima física, econômica, relacional e emocionalmente, na família, na escola, na empresa, na política e na sociedade.

As pessoas caem na armadilha porque o psicopata é dissimulado, sedutor, manipulador e convincente. Mostra o que não é – encena.
Faz-se de vítima, virando a situação do avesso.

Tem inteligência não atrapalhada por emoções humanas, ausentes.
70% dos criminosos hediondos são psicopatas, reincidem e impedem criminosos normais de se recuperarem.

Cerca de 3% da população geral é psicopata. Você já lidou com um, sem saber.
É o ego que comanda, não o Eu, que não chega a encarnar, permanecendo “pairando acima”.

ESCALA HARE
Baseia-se nas clássicas descrições de psicopatia, desde CLECKEY (1988), exigindo extenso escrutínio da vida do indivíduo, não podendo, em hipótese alguma, limitar-se a uma entrevista com o indivíduo, ou dela prescindir (HARE, 1998). Pontua um indivíduo ao longo de 20 itens, usando uma entrevista semi-estruturada e uma validade estimada do grau para o qual um criminoso ou paciente psiquiátrico-forense se enquadra no conceito tradicional (prototípico) de psicopatia. 

Cada item é quantificado em uma escala de 3 pontos (0,1,2,), de acordo com a extensão verificada no sujeito. De 0 a 40, a partir de 23 já diagnostica psicopatia e 11-22 transtorno da personalidade. Até 11, pessoa normal.

O constructo de psicopatia empregado no PCL-R está definido por traços de personalidade inferidos e por comportamentos sociais desviantes. (in Morana, Hilda)


VÍTIMA DE PSICOPATA
  • 3 fases das manobras do psicopata com a vítima:
    1) bajulação e conquista;
    2) controle e exploração;
    3) destruição e descarte
  • chega ao consultório na terceira fase ou após
  • trauma análogo a sequestro e estupro
  • marcas de abuso emocionais e psicológicas, não físicas
  • propensão ao suicídio
  • depredação emocional, psicológica, relacional, econômica, profissional, familiar
  • isolamento do sistema de suporte (família, amigos), obrado pelo psicopata
  • dissonância cognitiva (gaslighting), obrada psicopata
  • transformada em agressora pelo psicopata, que vira o jogo a seu favor
  • ausência de defesa legal especializada
  • ausência de preparo específico dos profissionais de saúde que a atendem
  • necessita ter seu sofrimento validado, acreditado
  • chega de uma vivência alucinante e cruel, quase inacreditável
  • estado de extremo estresse e caos

Gratidão, Julia Barany!

Denuncie,
peça as Medidas Protetivas,
 se não te atenderem,
corra atrás para que Justiça seja feita,
não permita que o agressor saia impune!
 Se não tens como te livrar,
desse relacionamento opressivo,
obsessivo e possessivo,
se estás em situação de violência e/ou risco,
se estás sendo ameaçada:
Denuncie 180
Antes que ele te mate...
Busque ajuda profissional
(psicológica e/ou psiquiátrica),
porque sozinha,
 não dá para enfrentar essa barra.
Maria Teresa

0 comentários:

Postar um comentário